https://www.poetris.com/
Crónicas : 

A "ourificação" da beleza

 
Se há dias em que nada é belo, outros há em que, após o lavar do cascalho, o ouro brilha no fundo. Só que quando o assunto são seres humanos, é difícil "ourificar" personalidades sem esbarrar com as impurezas do existencialismo. Todavia, como normalmente só isolamos os comportamentos-avistados, descobrimos que afinal estamos sob uma chuva-de-diamantes. Não, não estamos à superfície de Neptuno para que os diamantes caiam literalmente do céu. A preciosidade das boas-intenções e das generosidades é que afloram facilmente por toda a parte (na Terra ou nestas terras); mas sempre como a ponta de um iceberg fora de água. Isto é, falta o resto basilar da estrutura para completar o quadro e perceber-se qual o valor intrínseco da multidão circundante. Por outro lado, muito mais fácil é "ourificar" a corporalidade das expressões humanas: são belas, quase todas.

O desejo procriador estará com certeza na base de quase toda a beleza que flui dos corpos (humanos, pelo menos). E hoje foi particularmente um bom dia de belas fêmeas avistadas. Duas, para ser exacto. A primeira, sentada no banco do jardim, de tão morena e vistosa mostrou porte de rainha; e não, não me peçam para explicar o que é isto de rainha (ou o que significa este cliché). Não sei, talvez fosse pelas costas aprumadas de bailarina, da roupa, das pernas cruzadas, do cigarro escondido que levou à boca. Sei lá. Ou então, pela maneira como flagrou os meus pensamentos postos nela: revirou os olhos de baixo para cima numa lentidão atroz, de tal maneira que não tive o reflexo de olhar para o lado. Conclusão: apanhou-me e riu-se. Ou melhor, a mim pareceu-me ter visto um sorriso. Acho, porém, que foi um truque da minha vaidade. Quanto à outra - uma fêmea ucraniana que serve à mesa de um café -, observei cada curva daquelas coxas apertadas contra as calças. O porte talvez não fosse de rainha, mas o apelo procriador daquelas carnes brancas torneadas deixou bem claro o poder da beleza expressa (e avistada).

Entretanto, quando o assunto não são seres-humanos tudo fica menos difícil, porque "ourificar" a Natureza sem o desejo procriador é simples e pacificador (quando para aí estamos virados, claro). Neste caso, entramos somente no domínio da contemplação, num processo que é averso ao possessismo. E se estamos propícios à osmótica qualidade do desapego, estamos sem o constante vibrar da insatisfação que, sob a alçada de uma suposta paz exasperante, perdura; mas desgasta as articulações da sanidade mental. Daí que objectivar e realizar seja, do senso-comum, a regra mais eficaz para preservar o equílibrio entre as aflições e os regalos. Ora, procriar é um objectivo da espécie humana (e não só). E é um objectivo que comporta outros objectivos para que se possa, por último, fazer cumprir. Senão vejamos: objectivos profissionais, amorosos e mesmo aqueles de puro prazer imediato redundam numa única coisa: perpetuar qualquer coisa (a beleza, se possível for).

E perpetuar combina bem com a Primavera que daqui a pouco bate à porta. Combina porque as belezas começam a mudar. E o tempo molda ciclicamente as formas, as cores e os odores do cenário envolvente; ao mesmo tempo que também molda, ciclicamente e irreversivelmente, cada criatura-viva. Por exemplo, um corte de cabelo provoca uma alteração temporária (ou cíclica) e, por isso, é um estado de beleza intercalada; enquanto que envelhecer é irreversível (por enquanto) e, só por isso, é um estado de alteração contínua da beleza. Depois, ainda existem as polimorfologias que se repetem sazonalmente, como acontece com o guincho, que aliás já começa a exibir leves indícios da sua plumagem nupcial. O guincho (tal como o pombo) não é metamórfico como a borboleta, e também não tem a exuberância das aves-do-paraíso. É que tanto o guincho como o pombo são apenas animais de simples costumes que proliferam junto ao estuário da minha terra. De qualquer maneira, de peito inflado e pescoço eriçado, lá vai o pombo a debicar o traseiro (que foge-e-não-foge) da pomba. Já o guincho tenta esconder mais o jogo, mas começa a ser traído pela carapuça castanha que se vai enfiando pela cabeça. Enfim, está a trocar a palidez das faces pelo bronzeamento do costume. É que as fêmeas (e o mundo) andam por aí, e é preciso beleza feita (ou "ourificada") para criar (ou para procriar) mais beleza.


Descentralizando aquilo que é demasiado óbvio... que já não é certo, nem surpreende... agregando um simples lar... à central do esforço... ao conforto que prende... (Ombuto - A Fúria das Palavras).

 
Autor
Ombuto
Autor
 
Texto
Data
Leituras
127
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
33 pontos
3
3
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Ombuto
Publicado: 16/05/2018 23:42  Atualizado: 16/05/2018 23:42
Da casa!
Usuário desde: 27/03/2011
Localidade: Angola
Mensagens: 318
 Re: A "ourificação" da beleza
Open in new window

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 17/05/2018 18:59  Atualizado: 17/05/2018 19:04
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1434
 Re: A "ourificação" da beleza
Guincho para mim submete-me a gemido!
E gemido a procriar.
Portanto temos uma ave que entra a dentro pelo próprio tema subliminar deste texto.
Gosto de textos cebola.
O problema do ouro. hoje em dia, é a platina. Os diamantes é doutra categoria. Contudo, sob a forma de chuva é uma beleza.

Mas que texto sem falhas. Rico. Com uma ironia inteligente, directa e indirectamente ficamos presos a um raciocíonio que, amiúde, não entendemos.

Aconteceu-me uma vez no trabalho ter uma experiência de ourificação (estou a dizer bem?).
Perante tal fenómeno da natureza a minha primeira reacção em relação à moça foi de incredulidade e estranheza. Um estranho fenómeno químico aconteceu. Ela tinha uma amiga simpática e próxima. Moreninha, bem proporcionado, em idade casadoira, limitou-se a dizer:
- Boa tarde!

E quase vieram-me as lágrimas aos olhos.
Quase com um impulso alienigena de "...procriar...".
Do meu pensamento seguite não me orgulhei:
(não admira que haja assédios, violações, e mulheres da má vida, será que esta criatura sabe o efeito que provoca nos homens?)

O terceiro parágrafo é de transcrever e deleitar. E encher-me de inveja. É de escritor.

Sim já ouvi dizer que as fémeas gosta de gajos bronzeados.

Abraços.

Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 17/05/2018 19:52  Atualizado: 17/05/2018 19:52
Luso de Ouro
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - BRASIL
Mensagens: 5237
 Re: A "ourificação" da beleza
Um mix de conteúdo interessante com
escrita contagiante.

😉