https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

a urina de céline

 
morria diariamente cada vez mais cedo
para melhor se abeirar da luz
que só a ignorância consente

mas o filtro envenenado do ultraje
corria já pela treva do seu peito
fendia-lhe os olhos de presa
e emergia dele um uivo ancestral
que incendiava a sua própria pira

nesses dias não escrevia versos
dos que se servem como um prato de biscoitos
mas dos que anunciam a queda do céu

nesses dias
das palavras ascendia um hálito acre
de infâmia tão inútil como uma cópula
de quem se abandona às garras do seu rival
e se cumpre liturgicamente

para demarcar um território de espera
para se fundir (assim a Fortuna o permita)
na única metáfora do fim da noite



 
Autor
boxer
Autor
 
Texto
Data
Leituras
356
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
3
4
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Mcris
Publicado: 01/07/2018 18:12  Atualizado: 01/07/2018 18:12
Super Participativo
Usuário desde: 17/11/2017
Localidade:
Mensagens: 111
 Re: a urina de céline
Parabéns...