https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Conto …

 
Conto …
 






Conto …


Conto de um, dois, três, quatro e cinco e seis, dezasseis …até trinta e seis, esquivo-me a agir, reduzo a acção, supero o deve e o haver, sobra-me o que não disse e continuo a viver da arte das expressões e emoções já não tanto à flor da pele como uma coroa do sol e o papel a arder quando se aproxima e afasta a lupa dele repetidamente concentrando a luz, concentro-me na lua, em que não há, não pode haver fogo, não há ar e o meu trono é de ar e povo, pai e rei do mundo, imagino-me e é tudo, as revoluções e as guerras continuam por todo o lado, não são estéticas, causam horror, não valem o som que fazem aos ouvidos, de boneca de louça quebrando, de bebé chorando; eu potencio o repouso e conto um e dois e três, até trinta e três sabendo que é um jogo, um exercício, o da concentração da luz numa lente e o haver fogo e o que posso fazer é saber e faço de sábio sem o ser, inevitavelmente conduz-me a estupidez por entre mortos e feridos embora não haja reino por que valha ser ferido.
Conto um, dois, três, dezoito, vinte e oito pelos dedos, peço o recibo ao taberneiro, sempre solicitei contas com boas maneiras; um pobre, ridículo acrobata de circo no fim da rua, porta com porta em frente à minha, lembra-me os meus falhanços, a minha incompetência endémica que me faz confiar na habilidade de faz-de-conta tal como o palhaço que ri na rua do-tudo-por-nada.
Conto e continuo a contar que, sob as más-caras há e sempre haverá humanidade e o hábito, elevado ao expoente máximo que um processo mental básico alinhe o inapto de sonhar com o sonhador devoto, surpreendo-me constantemente com quem passa por mim e se apega à matéria da negação como forma de existir suprema, transfiguro-me numa outra realidade, conto e continuo a contar sem me misturar, daí a habilidade em seguir vários caminhos sem me envolver com a rua e o palhaço que representa os meus falhanços e a estupidez humana das almas todas incluindo a minha, a chama, a luz concentrada de uma lente, o sol; concentro-me na lua e conto, cem, cento e muitos impulsos de todo o meu sangue Germânico, abrandando até sarar …









Joel matos 06/2018
http://joel-matos.blogspot.com








 
Autor
Joel-Matos
 
Texto
Data
Leituras
361
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
36 pontos
4
4
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 29/06/2018 18:16  Atualizado: 29/06/2018 18:38
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1863
 Canto
.Open in new window

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 29/06/2018 18:35  Atualizado: 29/06/2018 18:35
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1863
 Re: Conto …
Open in new window

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 14/01/2019 11:32  Atualizado: 14/01/2019 11:32
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1850
 Re: Conto …
Open in new window