https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

a última estância

 
toda a minha vida nada mais foi
que um truísmo
mas tanto quanto sei às vezes
até é possível ter uma biografia a sério
ou seja
ter alguém que nos acompanhe a casa

era esse o teu dom, sabes?
portanto não levo a mal
não dares pela minha falta
como gostarias (estou certo disso)
há tanta ternura na tua memória pontual
e passageira
que mais se pode pedir?

por isso deixo-te esta herança:

se puderes, vive de evidências
em delírio ou lucidez
a navalha de occam
sempre foi minha ponta e mola

tudo se resume a isto:

doenças curam-se com novas dores
e o amor está sempre em remissão

as desculpas de uma madrugada
apenas perduram até à seguinte

uma folha que caia sobre ti
nada denuncia, só anuncia

se o destino é um assaltante
tu serás agora e sempre o único réu

no mais, todas as palavras são grandes como torres
desconfia delas mas não as abandones
só com elas podes medir os instantes
e é das suas portadas que ainda se avista
a nossa caminhada rente às ondas

 
Autor
boxer
Autor
 
Texto
Data
Leituras
409
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
36 pontos
14
3
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 16/08/2018 11:13  Atualizado: 16/08/2018 11:13
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 14857
 Re: a última estância
Uma prosa poética que instiga e apraz, Além de ser didática. Não sabia e nunca havia lido ou ouvido sobre a Navalha de Occam. Por isso eu gosto desta interação, desta partilha. No mais, eu destaco este trecho ao qual me identifiquei:
"no mais, todas as palavras são grandes como torres
desconfia delas mas não as abandones
só com elas podes medir os instantes
e é das suas portadas que ainda se avistam
as nossas caminhadas rente às ondas." Obrigado, amigo!




Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/08/2018 13:26  Atualizado: 17/08/2018 13:26
 Re: a última estância
Gosto do que colocas aqui...

Aprecio os teus escritos...

Leio diversas vezes e sempre algo de bom flui...

"doenças curam-se com novas dores
e o amor está sempre em remissão"

Existe alguma forma diferente de viver e aprender, se não for através da dor que fere e do amor que cura?

Não, acredito que não...

Parabéns pelo poema!

Abraços,

Anggela


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 17/08/2018 14:22  Atualizado: 02/09/2018 23:59
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1555
 Re: a última estância
Embora impregnado de saudade, há algo muito maior que entra neste poema e que considero, em primeiro lugar, uma grandiosidade e uma das "chaves" para uma pseudo felicidade, a gratidão.
Mais do que conformismo, que é um tom que surge no início, o sujeito poético é, mais do tudo, grato.
Voltas a oferecer-nos metáforas de excelência, palavras invulgares (fui ao dic pelo truísmo, altruísmo era a referência base, que não me servia para nada e demonstrou estar longe do significado) e a navalha também era-me desconhecida.
O uso da ponta e mola trouxe-me memórias da juventude (andei de volta duma butterfly imenso tempo).
A tranquilidade da "...herança..." (i wish you well or, maybe, all the best) torna o poema duma dimensão e duma consistência muito fortes.

"...ter alguém que nos acompanhe a casa..." faz toda a diferença não é?
Ontem vi no youtube o processo de cicatrizamento, que resumidamente, é uma tradição duma tribo africana que a cada idade de passagem (são feridos com cicatrizes na cara quando deixam de ser amamentados, por ex.).
A vida conjugal (com ou sem casamento) é aqui no mundo ocidental e supostamente civilizado, de capital importância. Um "must have". Apesar das facilidades dos desencantos promoverem solidões felizes, a vida parece mais vivida a dois. Talvez por isso nunca o deixemos de o procurar.
É um grande verso.

Em última instância, a última estância deste poema é a palavra e os areais que vamos pisando.
A dimensão da palavra é algo que à maioria de nós falha. Não ao sujeito poético.
Ela ilude, engana, mente.
Sobretudo, encanta.
Mas permite-nos sermos o que somos, Homens.
Até as baleias debaixo de água comunicam. Dão-nos os pensamentos e além destes, as memórias.

Não é um poema-estrela mas, certamente, é um poema-planeta.

Sempre um prazer ler-te irmão


Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 22/08/2018 11:43  Atualizado: 03/10/2018 10:34
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Setúbal-Azeitão, Portugal
Mensagens: 1582
 .
.


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 24/08/2018 18:21  Atualizado: 24/08/2018 18:21
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 15751
 Re: a última estância
Poeta
por isso deixo-te esta herança:

se puderes, vive de evidências
em delírio ou lucidez
a navalha de occam
sempre foi minha ponta e mola


Bom para refletir! Sábias palavras!
Levei!

Janna


Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 29/08/2018 15:10  Atualizado: 29/08/2018 15:10
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11165
 Re: a última estância
Boxer,

talento!
Bj
Nanda