https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Subtil ....

 
Subtil ....
 













Subtil o que sofro,

Quero sentir de outra forma pois sinto
Em forma de nada o meu querer,
Falta-me o oscilar do salgueiro ao vento,
Falta-me o sonho dentro do sonho,
-Fala-me da realidade curva e as cores,

Da forma que tem o tempo sem ter,
Em forma de álamo o meu querer ...
Paisagem num quadro, uma subtileza
Em cristal, um átomo a oscilar no tempo,
O espaço, um intervalo nulo, o meu ser

Embala-me no vulgar soprar - o ar,
Poeira inquieta o que tenho e não quero,
Milimétrico eu, vulgar sopro o que penso
Ser viver neste viver sem vida, que quase
Toco sem que me toque ela outra ...

Falta-me a sensibilidade negra do corvo,
Fala-me da ausência e da conclusão do dia,
Da hora tardia, fala-me da promessa
Não cumprida, do sermão e da dúvida
Necessária pra nos mantermos espíritas

E em forma de ar, o nosso ser sitiado,
Enfermo e em forma de nada mais
Que ar e ar, de mar cercado e sem saída.
Quero sentir-me de outra forma que não preso
Ao corpo nem à vida, sútil ao sopro,

Subtil é o que sofro.











Jorge Santos 09/2018
http://namastibetpoems.blogspot.com


















Jorge Santos, aliás Joel Matos,aliás namastibet

 
Autor
Jorge-Santos
 
Texto
Data
Leituras
1161
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
44 pontos
12
4
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Namas-tibet
Publicado: 18/09/2018 12:43  Atualizado: 18/09/2018 12:43
Colaborador
Usuário desde: 17/07/2018
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 980
 Re: Subtil ...
Open in new window


Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 24/09/2018 12:31  Atualizado: 24/09/2018 12:31
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2040
 Re: Subtil ....Max Ernst
Max Ernst (1891-1976) | Gracieux et subtil


Open in new window

Enviado por Tópico
poetizando
Publicado: 08/10/2018 00:37  Atualizado: 08/10/2018 00:37
Muito Participativo
Usuário desde: 12/12/2013
Localidade:
Mensagens: 87
 Re: Subtil ....
Acredito que cada um sente da forma que pode, da forma que sabe. e adorei a forma que tú sentes e demostras isso , parabéns

Enviado por Tópico
poetizando
Publicado: 17/10/2018 00:21  Atualizado: 17/10/2018 00:21
Muito Participativo
Usuário desde: 12/12/2013
Localidade:
Mensagens: 87
 Re: Subtil ....
Mas essa é uma linda forma de sentir!!
Parabéns!!


Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 28/11/2018 12:01  Atualizado: 16/12/2018 10:18
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2015
 .
.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 28/11/2018 12:04  Atualizado: 16/12/2018 10:18
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2015
 .
.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 28/11/2018 12:08  Atualizado: 16/12/2018 10:19
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2015
 Re: Subtil ....
.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 28/11/2018 12:13  Atualizado: 16/12/2018 10:19
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2015
 Re: Subtil ....
.


Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 09/04/2019 15:11  Atualizado: 01/07/2019 11:15
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2040
 Re: Subtil ....


Open in new window







Eis quanto e comum de facto
Eu sou, ao ponto de ter vulgar o umbigo,
Peculiar adereço em mim, o estar
Sem estar, a dor sem hiato ou subtítulo,

Desprezo de inglorioso palhaço de circo,
Desses sem palco nem apreço, velhaco
Tecido a palha, pseudónimo-erudito
E canalha com firma-reconhecida, mal pago

Taberneiro, manhoso com ácaros nos
Testículos e na mal-formada verga
O sujo, besuntado a tinto e canja de
Galinha gorda, das tripas digo-me marujo,

Sem jamais ter raspado nos flancos
Um batelão, nem de joelhos o convés,
Contramestre da ignomínia, da infâmia,
O coração, se pudesse, fugiria de mim,

Tão vulgar sou, sete sobre sete dias
Suo que nem camelo perante o alfage
Mauritano, cerebelo de sapo urubu,
Pinta de fuinha, saio ao meu avô Garim ...