https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Subtil ...

 
Subtil ...
 







Subtil o que sofro,

Quero sentir de outra forma pois sinto
Em forma de nada o meu querer,
Falta-me o oscilar do salgueiro ao vento,
Falta-me o sonho dentro do sonho,
-Fala-me da realidade curva e as cores,

Da forma que tem o tempo sem ter,
Em forma de álamo o meu querer ...
Paisagem num quadro, uma subtileza
Em cristal, um átomo a oscilar no tempo,
O espaço, um intervalo nulo, o meu ser

Embala-me no vulgar soprar - o ar,
Poeira inquieta o que tenho e não quero,
Milimétrico eu, vulgar sopro o que penso
Ser viver neste viver sem vida, que quase
Toco sem que me toque ela outra ...

Falta-me a sensibilidade negra do corvo,
Fala-me da ausência e da conclusão do dia,
Da hora tardia, fala-me da promessa
Não cumprida, do sermão e da dúvida
Necessária pra nos mantermos espíritas

E em forma de ar, o nosso ser sitiado,
Enfermo e em forma de nada mais
Que ar e ar, de mar cercado e sem saída.
Quero sentir-me de outra forma que não preso
Ao corpo nem à vida, sútil ao sopro,

Subtil é o que sofro.











Jorge Santos 09/2018
http://namastibetpoems.blogspot.com







namastibet, aliás Joel matos

 
Autor
Namas-tibet
 
Texto
Data
Leituras
1013
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
35 pontos
5
3
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 18/09/2018 12:45  Atualizado: 03/10/2018 10:30
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1928
 .
.



Enviado por Tópico
Namas-tibet
Publicado: 30/01/2019 21:14  Atualizado: 11/06/2019 15:49
Colaborador
Usuário desde: 17/07/2018
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 877
 subtil mas pouco
subtil mas pouco

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 17/06/2019 10:20  Atualizado: 17/06/2019 10:20
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1943
 Re: Subtil cansaço...












Álvaro de Campos




O que há em mim é sobretudo cansaço —




Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas —

Essas e o que falta nelas eternamente —;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada —

Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,

Ou até se não puder ser...
E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,

Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,

Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço...