https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

sem título II (“All Along The Watchtower”)

 
.........
.
........................
....
......
..
.
...............********
**********
**
****
*
........
....
................
..........

calcorreias vielas escondidas
entreabrem-se pela noite
sofregas.

se fechas os olhos

desces a escada até aos infernos
[sejam da alma!]
pois a distorção atinge-te
fulmina pegadas

algures

deixadas para trás. existe uma solidão transversal

silêncio que acompanha memórias
quando ventos soam símiles
aos rumorejares das marés…

são sussurros dispersos
quando o adeus invisível
se transforma no constante respirar ofegante.

as estranhas cores da terra
não incomodam mais
o nada seguinte
conserva remorsos constantes

destecem-se:
desassossegos
mitos
velas enfunadas rasgadas.

[consegues ouvir-me?]

aprendeste finalmente a voar. vestígios
apenas.


(Ricardo Pocinho – O Transversal)


"Floriram por engano as rosas bravas
No inverno:veio o vento desfolha las..."
(Camilo Pessanha)

http://ricardopocinho.blogspot.com/

 
Autor
Transversal
 
Texto
Data
Leituras
303
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
26 pontos
4
3
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 15/09/2018 15:03  Atualizado: 15/09/2018 15:03
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 2718
 Re: sem título II (“All Along The Watchtower”)

Existe uma solidão transversal
entre as palavras, memórias
vestígios e pegadas
neste poético sentimento
das cores da terra
para descer ao inferno
voando do desassossego rasgado
entre as vielas de olhos fechados
mais palavras para quê?
Se os ventos deixam sussurros nas marés

Um abraço poeta Ricardo Pocinho – O Transversal


Enviado por Tópico
Mcris
Publicado: 16/09/2018 02:16  Atualizado: 16/09/2018 02:16
Super Participativo
Usuário desde: 17/11/2017
Localidade:
Mensagens: 123
 Re: sem título II (“All Along The Watchtower”)
E não tem como não ouvir... Um dia hei de escrever assim...

Boés de saudades poeta da luz.

Bjos