https://www.poetris.com/
Poemas : 

Antialienação

 
Minha alma perambula as vielas do meu ser, ela cata as guimbas de esperanças ela trás nas mãos uma garrafa de sonhos fermentados.
A garganta leva um nó e o estômago amarga o desgosto que queima as vísceras das lembranças
O corpo todo é um desconjunto, os pés arrastam correntes muitíssimos pesadas de dias, horas e minutos estagnados
Meu espírito clama o fim deste despropositado tempo que tece suas teias em torno dos meus olhos
Tudo é enfado, tudo é pequeno, igual e medíocre, na calçada da vida me deito e passo meus dias vendo tudo passar tão rápido e repetido como um frenesi de futilidades
Não sei como vim para este lugar e pra que serve estar aqui tentando não alienar



 
Autor
Creep
Autor
 
Texto
Data
Leituras
150
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 17/11/2018 09:58  Atualizado: 17/11/2018 09:58
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29355
 Re: Antialienação
Um poema sentimental onde a alma grita uma insana dor, belo poema