https://www.poetris.com/
 
Textos : 

Luso-Poemas, um cadáver em decomposição

 
Tags:  luso-poemas    cadáver    decomposição  
 
Luso-Poemas, um cadáver em decomposição

Indivíduo nascido em meio a incontáveis críticas e nadando em um mar de egos infinitos, cresce e se desenvolve em meio a guerras, guerrinhas territoriais. Muitos foram atingidos em cheio e sobreviveram, outros ficaram pelo caminho, outros morreram. Diante tudo isso o indivíduo adoeceu. Fizeram muitos exames, tomografias. Várias teorias surgiram tentando explicar que tipo de doença acometia o indivíduo. Em determinado momento seu pai o abandona a própria sorte. Assim, o indivíduo é internado em hospital por amigos, cada um com seu interesse próprio. Ele só piora e vai para o tratamento intensivo. Totalmente esgotado, falece. Investigações autônomas buscam encontrar os culpados. No velório, assim como no nascimento, críticas, soberba, egos infinitos desfilam diante o morto. Contudo, esqueceram de enterrar o defunto e o mesmo se decompõe a céu aberto. Vez ou outra surge algum abutre para lhe arrancar um pedaço de carne putrefeita. Outros choram os bons tempos de outrora diante a carcaça, lá no fundo ainda lhes restam nos peitos um presentinho sinistro de Zeus, a esperança. Ela lhes faz imaginar um Luso-fênix que renascerá de suas cinzas. O fogo, o sol, a vida, renovação, ressurreição, imortalidade.


Meu objetivo na vida
É trazer luz lá do fundo
Assim na partida
Já conhecerei além-mundo




 
Autor
sendoluzmaior
 
Texto
Data
Leituras
331
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
38 pontos
14
4
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Namas-tibet
Publicado: 08/02/2019 17:25  Atualizado: 13/02/2019 10:38
Da casa!
Usuário desde: 17/07/2018
Localidade:
Mensagens: 392
 .
.





Enviado por Tópico
Jdcc1
Publicado: 09/02/2019 00:38  Atualizado: 09/02/2019 00:45
Colaborador
Usuário desde: 17/10/2017
Localidade:
Mensagens: 680
 Re: Luso-Poemas, um cadáver em decomposição
Eu respeito sua liberdade de expressão para escrever sobre o que quiser, mas sinceramente acho que escrever sobre a atual situação do luso com certo sarcasmo não mudará os fatos, pelo contrário é só uma forma negativa de chamar a atenção, mas como disse antes respeito sua liberdade de expressão.

Sem mais.

Boa noite.


Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 09/02/2019 09:56  Atualizado: 09/02/2019 09:56
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 2527
 Re: Luso-Poemas, um cadáver em decomposição
🙏❤👍

Doloroso mas profundo
um abraço poeta sendoluzmaior

Enviado por Tópico
boxer
Publicado: 10/02/2019 10:12  Atualizado: 10/02/2019 10:13
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2009
Localidade:
Mensagens: 675
 Re: Luso-Poemas, um cadáver em decomposição
.
Há dez anos que sou utilizador no Luso-Poemas. Escrevo pouco, leio bastante. Aprendi muito sobre poesia. Criei ligações com alguns escritores deste espaço, que muito prezo. Tive uma ou duas discussões públicas, de que me envergonhei logo a seguir.
Apesar de tudo, não me revejo na amargura do sendoluzmaior.
No meio desta Babel, a que muitos acorrem para vingar uma existência física frustrante, continuam a surgir vozes que vale a pena escutar.
Não acredito em ressurreições, acredito no erro e na fragilidade humanas que, para mim, são as primeiras palavras de cada verso.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 10/02/2019 23:00  Atualizado: 17/02/2019 06:36
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1556
 Re: Luso-Poemas, um cadáver em decomposição
Somos merda, e depois pó.
Desde de Novembro de 2007 que tenho aqui a minha casa. Apenas escrevo aqui. Tive um blogue. Já não tenho.
O Papá Trabis podia olhar mais por isto.
Os dilemas dos fakes, dos plágios são complicados em auto-gestão.
Mas aqui estabeleço o meu tubo de ensaio, faço experiências falhadas.
Público, até que uma editora que me pegue mo proíba.
O meu desejo mais profundo é ser o pior. O pior de todos e deliciar-me com todos os outros.
Não acontece. Um pouco pelo que o nosso artist_ic disse. Podia cá continuar, para eu poder me deliciar com ele. Vale a pena. Gyl, Boxer, Mary Santos, Leonor Hunter, Adeuses, o Joel e o Jorge, a Zita Viegas...
Ainda dá para me divertir, ser egoísta e contar leituras e gostos e favoritos e comentários nos meus escritos...
Tudo isto é podre, é merda, mas é meu.
Venham mais 11.
Leio quem gosto. Comento os textos que me marcam. Aprendo.
Tou com o Boxer.
O erro e o espanto é foda!

Poesia para todos.
Chorem o cheiro.
Cheiro a loca (pús) é insuportável mas aduba!


Enviado por Tópico
ZESILVEIRADOBRASIL
Publicado: 11/02/2019 14:37  Atualizado: 11/02/2019 14:50
Membro de honra
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 124
 Re: Luso-Poemas, um cadáver em decomposição - p/Sidney
caro Sidney,

Então; longe estou e estarei em polemizar... e de imaginar um Luso-fênix preste às cinzas.

sou apenas o Zé, brasileiro, ponta de ramo duma mistura de árvore portuguesa, francesa, índia e cabocla; vim de gente camponesa extinta há décadas, advindas de regiões interioranas brasilis, hoje grandes centros produtivo e intelectuais. Apesar deles não terem sidos formados universitariamente em letras, (assim como eu), não falarem, tampouco escreverem fluentemente a língua pátria; não a tão defendida como é cantada em vários tons, a bela língua mãe, mas tentaram imitá-la para que seguisse como padrão?... Há tempos houve aqui no Luso uma celeuma sobre o tema, como inatingível o entendimento; extinguiu-se do mesmo jeito iniciado. Não por isso que ausentei-me daqui por alguns anos; motivos outros, alheios. Certamente não fiz falta, mas deixei um rastro daquilo que defendi e não desejo reprisar. Mas, orgulho-me de jamais, e peremptoriamente, ter cogitado desrespeitar, assim como descrever com desprezo qual fosse o modal de uso da língua observada em cada região ou país que fora adotada; até mesmo se `caipirizada`, como assim é a lusofonia alocada em cada ponto cardeal. Portanto; é falsa a ideia de que quem fala mal a língua portuguesa é o brasileiro e não o português, e vice versa. O que acontece é que certos indivíduos não tem consciência de que a língua portuguesa em sua contemporaneidade não é mais homogênea, ou seja; existem muitas nuances adquiridas por força da globalização, adotadas em formatações outras, e cada qual com suas regras para melhor a comunicabilidade... Quando se trata da fluência da língua, àqueles que se propõem escreverem, atentos às regras, sabemos de pronto ao lê-los, mas não podemos nos ater apenas nas noções de "certo e errado", porque isso depende de fatores vários... De modo geral, no meu simplório olhar, pode-se dizer que nem o povo brasileiro e nem o povo português fazem uso da língua de forma errada... Outrossim; o que realmente pesa, é a dispersão dos valores que a língua na boa escrita pede, quais não são trazidos no bojo por alguns, o que é péssimo para a cultura de um povo. Ao se falá-la erradamente, e principalmente escrevê-la com erros crassos, ao meu olhar, é um 'puta' desrespeito entre indivíduos, e entre nações, como hora ou outra se instala aqui.
No caso do site, é lamentável sim, tanto da sentida dispersão de alguns valores literários, quanto da displicência do idealizador na proficiência de em manter o site, num ambiente coeso, organizado e mais vibrante em prol da poesia e da arte da escrita lusófona. Até mesmo fosse em consideração aos contributos, todos, afinal, os reais mantenedores, sem os quais aqui sossobraria.
Aparentemente, parece-me, ter abdicado-se de manter vivo um ideal. Tomara que não!

ademais, com apreço, vai aqui o meu abraço caRIOca