https://www.poetris.com/
Poemas : 

No corpo da noite

 
Aqui ando repetindo monólogos
tentativas que caem dos dedos
como quem segue raízes
de sangue no interior do tempo.

Raramente são árvores vestidas de verdes
os monólogos.
Atravessam nomes e lugares de melancolia
ou paredes cobertas de passado.
Às vezes percorrem ruas que vivem intensamente a primavera
ou somente os silêncios que erram pela casa
a desembrulharem a vida
a hibernarem no papel.

 
Autor
Briana
Autor
 
Texto
Data
Leituras
114
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
17 pontos
3
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 20/08/2019 18:16  Atualizado: 20/08/2019 18:16
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29264
 Re: No corpo da noite
Uma poesia, comovente e bela, lindamente poetizada


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 21/08/2019 20:28  Atualizado: 21/08/2019 20:31
 Re: No corpo da noite
antes de mais quero pedir perdão por te ter deixado aquele texto quando parti de férias para parte desconhecida.

a palavra monólogo lembra-me sempre o monologo da vagina que é uma peça teatral que não é da Júlia Pinheiro mas da Eva qualquer coisa. também me vejo muitas vezes envolvido em monólogos, é um tanto esquisito, mas, são muitas vezes úteis para despertar a nossa consciência. tento não usar fitas na porta porque não gosto de fitas. grande parte dos meus monólogos são para combater a solidão. enfim... nem tenho necessidade disso, mas a desilusão é terrível. por exemplo, quando venho ao luso custa-me muito ver a vaidade das estrelas, sem luz própria, muitas sem luz de espécie alguma, mas ainda assim são importantes e nunca sobem ao mundo das pessoas partilhando mais que os seus aviões que normalmente poluem tudo por onde passam. acho que teem vergonha da própria sombra devido ao completo vazio e terão medo que se descubra o quão falso é o mundo. e eu que até tenho razões para ser vaidoso sou alguém muito simples e humilde quanto baste. por exemplo, eu não vivo por interesse, vivo por prazer de existir. não me importo de morrer já hoje se isso for benéfico para que o mundo se torne algo mais verdadeiro. quando se vive por prazer nunca estamos à espera de nada no entanto nada calha em sorte a quem é honesto porque o mundo está viciado. os meios da literatura são os piores. os escritores e poetas são os piores diabos que a humanidade conheceu, salvo raras excepções claro. temos de ter em conta a vertigem dos voos que nos pode trair. tenho tanta coisa para dizer! espero ter sido útil e não ter sido chato. gosto da arte que praticas. e percebe-se porquê não é! oupa bora lá pintar a manta como diria o meu grande e saudoso amigo Júlio