https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

"she she"

 
Viver através da sombra o ermo da calvície!
As papoilas desfeitas por um triste destino!
Ver malmequeres azuis mortos silenciosos
Ofertando ramos aos pares às escondidas!

As bocas de invídia embarcadas no verso!
A incompreensão em tudo o que o sol faz!
Como uma fresca adocicada pelos anéis
Que vão ficando nas mãos sem dedos!

Viver as fugas pelas ruínas, pelas rugas!
O meu coração sem chamas na cómoda
Com gavetas em alumínio branco! Viver
Sem amor e carinho à tardinha! A vida!

Ah, se a fotografia falasse... É possível
Que tenha adormecido. Que a morte
Não envenene e amanhã seja outro dia


Poema de " O Xaile", Alberto Moreira Ferreira















Era uma rosa, uma luz, mas não era uma rosa livre para uma vida saudável de encantar. E tu bebeste-a, e o tempo agora a amarrar a noite não ajuda a libertar. De tanto tempo vivido entre muros e muros perdes-te agora dentro de ti. Tens demasiado tempo de muros na mochila, hectares é muito tempo, tempo demais. O silencio gritante, a morte, incompletude demais, de menos demais, de menos é demais, e descolas. A dado momento só podes descolar ou enlouquecer. Certos pássaros como tu não teem lugar no pior lugar da terra. Mas há valquírias nas águas dessa fuga, e sangue por todo o lado, o vinho da alma que se desfez é agora sangue espalhado obedecendo à morte, sangue perdido por todo o lado, e foges por achar que o mundo é um problema. São mundos que nos fazem isto. Vem a noite vem a morte, o crepúsculo e a solução, uma triste figura de pedra inerte sentada à mesa suspensa na sua miséria a iludir o copo. Aquela rosa é uma flor gigante. Rosa ruiva, ave da raiz à copa, clave de lua moeda de cambio medicinal, rosa tão pura, nunca seria um problema. O problema são os muros recolhidos que ainda infectam. Os muros no bolso da mochila e a pequena porção da alma entretanto conquistada com a descoberta da rosa que te restava arremessada de novo, com mais raiva, mais dor, pela circunstancia, e mais sangue, mais sangue por todo o lado. Agora que estamos os dois sozinhos perdidos de amor e quase-quase desorientados queria perguntar-te... a vertigem de alguma forma termina em angústia ou somos nós que vemos tão mal. A Rosa... que rica maga. Vamos respirar, arrimar a mesa lavar a loiça disparar salvas acender a luz amaciar os dias terrivelmente pesados... (ah Rosa...) Os espasmos hão de passar.


"Concerto, Performance de O Jardim do Morro", in "THEIA", Alberto Moreira Ferreira

 
Autor
bitcoin
Autor
 
Texto
Data
Leituras
287
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
8
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Huntr
Publicado: 08/10/2019 20:18  Atualizado: 08/10/2019 20:18
Participativo
Usuário desde: 06/10/2019
Localidade:
Mensagens: 21
 Re: "she she"
Amo sua escrita, Alberto!


Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 08/10/2019 21:05  Atualizado: 08/10/2019 21:05
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2004
 Re: "she she"
Open in new window


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 09/10/2019 15:01  Atualizado: 09/10/2019 15:01
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29303
 Re: "she she"
Poesia de uma beleza tamanha, lindo


Enviado por Tópico
Petrônio
Publicado: 11/10/2019 19:45  Atualizado: 11/10/2019 19:45
Super Participativo
Usuário desde: 22/09/2019
Localidade:
Mensagens: 103
 Re: "she she"
Para a diversão
Em formato de frasquinho
Seja rosa ou azulinho
P`ra fomentar a paixão

No entretanto
Não arrimes a mesa
Olha se F a cabeça alguém


Aquele abraço