https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O avesso do espelho...

 
O avesso do espelho...
 
Oswaldo Guayasamín









Basta querer eu alguma coisa pra que morra por ela mesmo,
Assim o respeito que tenho por todos, pior que por mim próprio,
O estranho é que, na classificação que me dou, baixa e "fascia",
Não me caibo, nem me basto de afirmar pra ser respeitado,
Sou suspeito da dupla significação no que digo, penso e faço,

Dispenso qualidades alheias, sobrevivo do instinto como se fosse
Eu uma industria de criação própria, pouco original e o mercado
De interesse fútil, decorativo painel de "moiral", moral opinativo
A duas dimensões, para parecer ser escabrosamente humano,
De compleição estéril, assim o respeito que tenho por outros,

Simplesmente porque o sol se põe a leste e não a oeste dos
Ombros desses, meses sem conta, sem autenticidade e enquanto
Os pulmões virados de latitude ao norte, os rins apontam,
Tal qual a minha atitude perante Deuses que desconhecem
Pelo cheiro a natureza das flores e a dor dos opinados ciprestes

Altivos. A respeito das sensações próximas, pouco há a dizer,
A não ser o que falhou, loucura seria afirmar-me como a metade
De cá do destino, pois se morrerei como tenho desde sempre
Vivido, sem respeito por mim próprio e muito menos pelo
Próximo. A Ode Triunfal é um mito longe do Arco do Triunfo,

Assim como o crucifixo não é símbolo apropriado num ateu,
A propósito de proficiências mágicas e alquimias sulfúreas
Complexas, subterrâneas galerias onde tudo se paga em metal,
Basta querer na ruína e na morte pra que haja submundo,
Não se aplica a sombra ao vazio, nem se explica o vazio,

Ainda assim respeito a urgência e a insurgência senão
Como velcros da ilusão na mudança, odeio as maiorias e as
Fórmulas hierárquicas monogâmicas erigidas num padrão,
Respeito a emoção se for natural e não em função do estilo,
Digo o que penso e o riso é uma possibilidade lúdica ela mesmo,

Antes que morra e a espontaneidade em mim afunde, como
Um prego e a variedade de sentir, a mecânica do espirito
O desassossego místico, necessidade vital e suprema de dor,
A aceitação sem submissão, sentindo como bafo no espelho
Do que estou falando, o que estou dizendo e o avesso …






Jorge Santos 02/2020
http://namastibetpoems.blogspot.com




namastibet, aliás Joel matos

 
Autor
Namas-tibet
 
Texto
Data
Leituras
279
Favoritos
4
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
48 pontos
8
4
4
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 28/02/2020 17:17  Atualizado: 28/02/2020 17:17
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2219
 Re: O avesso do espelho...
Open in new window



Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 28/02/2020 17:19  Atualizado: 28/02/2020 17:19
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2175
 Re: O avesso do espelho...
Open in new window

Enviado por Tópico
JorgeSantos
Publicado: 28/02/2020 17:20  Atualizado: 28/02/2020 17:20
Da casa!
Usuário desde: 28/06/2019
Localidade:
Mensagens: 470
 Re: O avesso do espelho...
Open in new window

Enviado por Tópico
JorgeSantos
Publicado: 01/03/2020 09:41  Atualizado: 01/03/2020 18:18
Da casa!
Usuário desde: 28/06/2019
Localidade:
Mensagens: 470
 Enquanto é tempo .
















"Canto ao dia, pra que à noite não…"









Conto-te o que sei, do que sei
E do que me não atrevo saber,
Não conseguirei eu jamais ignorar
Conto-te do sol que transborda e sobe

P’los meus olhos, da palavra primeva
Secreta que abre nos sonhos a sesta
Do profeta, do que prometeu Eufrates
Ao Tibre, da Maria, da alegria do parto

Sem dor, conto-te da desilusão do desencanto
E do actor sem paixão ter nem a ilusão
De sentir melancolia sem choro do esperar
P’la lotaria sem jogar no gamão

A perda de Deus sem querer conquistar céus
Conto-te o que sei do que sei, do encontro
De mim em mim e não do que fiz d’assim tão
Mal em transportar etéreos sonhos, quantos

Que não entendo mas não abro mão,
Conto-te da inveja que o filósofo tinha
Em rapaz, plo choro dos desterrados,
C ’mo Juíz p’las Tábuas da lei em silencio,

Conto-te quanto me tornei incapaz,
Inversamente à razão, ao vento, ao ar
Que me traz saudade do ser que não sou,
Nem me atrevo cedo a ser o sonhar laudo,

Conto-te tudo o que à minha lembrança
Vier, pois tudo regressa, excepto aquilo
Que a gente perde depois da manhã negar-se,
Em chegar (leda) linda

Jorge Santos (12/2014)












Enviado por Tópico
boxer
Publicado: 02/03/2020 07:56  Atualizado: 02/03/2020 07:56
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2009
Localidade:
Mensagens: 798
 Re: O avesso do espelho...
.
"A respeito das sensações próximas, pouco há a dizer,
A não ser o que falhou, loucura seria afirmar-me como a metade
De cá do destino..."

I like chords that are very lush with all the lush parts taken out.
Carla Bley

Enviado por Tópico
nereida
Publicado: 02/03/2020 20:50  Atualizado: 02/03/2020 20:50
Colaborador
Usuário desde: 27/08/2017
Localidade: São Paulo
Mensagens: 1482
 Re: O avesso do espelho...
Eu diria que gostei do texto, e das pinturas!

Como tudo que é excêntrico !

Abraço.