https://www.poetris.com/
Sonetos : 

REALIDADE (soneto)

 
Tags:  amor    Luciano Spagnol    realidade    sofrência  
 
A dor foi longe demais, para voltar
Nos canteiros onde havia só flores
Hoje a erva daninha tomou o lugar
O que era voz prazerosa, há dores

Em nós, vazio ficou o falante olhar
Aos antigos sensos, outros amores
E na saudade do amor, um silenciar
Com os esboços com outras cores

Valores? Há um, a doce lembrança
Que ficou no outrora, ali a de estar
Uma vez já bailada, outra a seresta

Quebramos tudo, toda a esperança
O que era para ser, se perdeu no ar
E a poesia dedicada, não mais nesta!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
26/03/2020, 12’07” – Cerrado goiano

Vídeo no YouTube:
https://youtu.be/CbohotM7wtg


Sou alma do cerrado, pé no chão, do triângulo, do chapadão... Pão de queijo com café, fogão de lenha, das vilas ricas, arraiais, sou filho de Araguari, das Gerais...
(© Luciano Spagnol - poeta do cerrado)

 
Autor
LucianoSpagnol
 
Texto
Data
Leituras
75
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Erotides
Publicado: 27/03/2020 18:32  Atualizado: 27/03/2020 18:32
Muito Participativo
Usuário desde: 26/02/2020
Localidade: BRASIL
Mensagens: 94
 Re: REALIDADE (soneto)
A poesia era para ser delicada. E buscava por ela .
Mas agora busco na delicadeza da poesia força.