https://www.poetris.com/
Prosas Poéticas : 

Quadrantes da Solidão

 
*

Quadrantes da Solidão*

escrevo para não desfalecer. há tanto verso na minha íris desbotada que abundam letras em lágrimas na face abatida.
um azul que não se pressente desenha-se no contorno solitário do meu olhar dorido.
dói-me o que não tenho e no horizonte esmaecido há agonia sentida, há talvez um afeto sem sofrimento.
não. pois que não tenho mais sentidos, nem esperas, nem melodias, nem ilusão.
adágio de outono, sucumbo entre flor e fruto num céu de cinza vestido.
um cabedal de estrelas silenciosas brilham e atestam a inexistência desse amor que entre cometas se perdeu.
alegria fronteiriça desenhou um instante de seda azul utopia e já agora considero minhas mãos vazias de ti a cartografia
da alma sozinha, escondida na linha de um poema meu.

karinna*
 
Autor
karinna*
Autor
 
Texto
Data
Leituras
187
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 07/04/2020 20:18  Atualizado: 20/04/2020 09:52
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2206
 .
.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 08/04/2020 18:58  Atualizado: 08/04/2020 18:58
 Re: Quadrantes da Solidão
entrei e como entrei não poderia deixar de manifestar a amizade e o carinho e dizer-te que vejo com olhos de satisfeito o resultado da preserverança e dedicação. que bom. permite-me dizer que gosto muito de ti. perdoname qualquer coisa... que bom...