https://www.poetris.com/
Poemas -> Góticos : 

Vampirismo

 
No princípio era o Verbo, e Este fez o princípio.
Criou, do barro, o Homem e neste Se alegrou.
No alto fez Seu descanso, habitando no Olimpo.
Porém, insatisfeito, o Homem se recriou:
Desbotou-se da argila erma da existência;
Reduziu-se a um ímpio projeto de ausência.
Pela menoridade, este se rebelou.

E na sua vontade em fazer-se Deus
O proto-homem escalou, às garras, o Monte.
Subordinado às ânsias de deuses ateus,
O andrógino pôs Zeus co'a face em sua fronte.
Ditou a aspiração - eis qual sua arbitragem:
-Mortal! Você não é um Deus nesta paragem!
O proto-homem caiu à desgraça do afronte.

E retalhado ao meio, entregue ao rés-do-chão,
Viu-se, o Homem, mutilado em toda sua hombridade.
Condenado por sua auto-valoração,
Afogou-se em recalque, insolência e vaidade;
Lúgubre catatônica esquizofrenia.
A densidade existencial o agonia;
Descobre-se como o Homem pela Metade.

Apartado do espírito, o Homem angustia,
Estertorando a carne em corpo desalmado
E carente em pecado; o Homem não se sentia:
Pelo materialismo cego é arrastado.
Vem com a modernidade, num bojo imundo,
A sentença final, coroando o homúnculo:
Positivista ciência o reparte em dois lados.

Agora, um quarto do homem original,
Ele se entrega ao Mundo, com paixão e zelo.
Passando de político a mero animal,
Dá-se todo aos vampiros - saciam o apelo.
Homens vampirizados, homens quartejados:
Ser humano, inumano, imundo, desalmado...
E todo homem-vampiro não se vê no espelho.

 
Autor
WesMic
Autor
 
Texto
Data
Leituras
99
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 29/05/2020 12:18  Atualizado: 29/05/2020 12:19
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 309
 Re: Vampirismo
Muito curiosa esta recriação bíblica:
“No princípio era o Verbo, e Este fez o princípio.”

O Homem que foi criado pelo “principio” - criado “no princípio” - possui, ainda assim, a capacidade de se (re)criar sobre a criação (ou assim ele o julga):
“Porém, insatisfeito, o Homem se recriou:”

Todavia, o Homem pretende recriar-se como Deus
“E na sua vontade em fazer-se Deus”

e, como tal, dirige-se ao Olimpo, lugar de reunião de todos os deuses (im)possíveis gregos.
O empreendimento não resulta e o Homem “retalhado ao meio”, “entregue ao rés-do-chão” (que isto de alturas parece ser só luxo divino), vai-se sucessivamente fragmentando até ser só “um quarto do homem original”.
Assim, depois da vaidade e do orgulho, este Homem é gradual e exaustivamente diminuído de si ao ponto de regressar ao seu lado mais animal.
(No meio está a virtude, já o diziam os antigos…)

Gosto deste teu modo de contar e desta imaginação e força que aqui leio.