https://www.poetris.com/
Poemas -> Desilusão : 

Dizer o quê?... Pedras me abocam, arrancam as pétalas, deixam o talo nu.

 
Deveras, estou densa!...

Os dias passam velozes pelas cercanias dos versos.

O tino rondeia salso.
A vergonha envelopa o dolo.
Dizer o quê?...

Preciso tanto de Deus !
Aquelas ondas no barco...

Deus! Deus!
Apavora-me o oceano!

Ontem, eu perdi ao jogo...

Verti rios, corei orvalho.
Andei nas farras com o adeus!

...Quanto aos passarinhos

A meu pedido, um deles, deixou o mundo em silêncio.

Com o outro...

Sentida está minh'alma,
tão longe,
das águas mornas e soro.






Leonor Huntr


 
Autor
Veit
Autor
 
Texto
Data
Leituras
117
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 17/05/2020 06:20  Atualizado: 17/05/2020 06:20
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1730
 Re: Dizer o quê?... Pedras me abocam, arrancam as pétalas...
Densa, deveras, estás.
Podemos dividir o poema em dois, porque depois da referência a "Deus" e a "oceano" a metáfora muda.

Precisamente porque "...ontem perdi ao jogo...".
Surgem os "passarinhos" como se tratassem de anjos e a referência a lágrima ora vertendo ora corando expressa de modo amargo essa perda.

Todo o poema é uma amarga despedida.
Achei muito interessante o verso "...andei nas farras com o adeus..." a personificação da despedida em forma de farras, apesar da palavra ser quase de uso popular, toda a ligação "a deus" marca também o correr dos versos.

A última estrofe quer-se fria. No longe, no sem estar morno das águas, e o soro pode ser o da verdade, ou apenas coisa de convalescente.

Acho que ontem todos perdemos...

Abraço