https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

BENDITA MALDITA VIDA ☘ ♧

 
BENDITA MALDITA VIDA ☘ ♧
 
Maldita vida de sal, cebola e alho
Dá ao mundo todos os enganos
Não queiras para ti tamanha lida

Por breves prazeres da tua vida
Estarás a penar por longos anos
Pois sabes que és um pobre mortal

Lida bem para que não morras mal
Olha e vela bem para que vivas bem
Não desperdices muito tempo da tua vida

Não confies pois os dias são curtos
As horas são breves as noites são leves
A vida passa e a morte vem sem demora

Porque tu não sabes a hora, nem quando
Bendita vida, maldita vida de sal cebola e alho
Que convenientemente se come bem



╭✿ ♥
Não me considero poeta
Descobri escrevendo por acaso

Você pode copiar, distribuir, exibir, executar
desde que seja dado crédito ao autor original.


Que a luz de Deus seja mais forte
do que todo o mal que nos cerca

🌻╭•⊰ 🌺

Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Autor
IsabelRFonseca
 
Texto
Data
Leituras
877
Favoritos
6
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
81 pontos
15
9
6
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
AntónioFonseca
Publicado: 23/05/2020 12:27  Atualizado: 23/05/2020 12:27
Colaborador
Usuário desde: 31/05/2013
Localidade:
Mensagens: 1115
 Re: BENDITA MALDITA VIDA ☘ ♧




Enviado por Tópico
AntonioCosta
Publicado: 23/05/2020 12:49  Atualizado: 23/05/2020 12:49
Super Participativo
Usuário desde: 02/05/2020
Localidade:
Mensagens: 103
 Re: BENDITA MALDITA VIDA ☘ ♧
POSTO ME TEM FORTUNA EM TAL ESTADO

Posto me tem Fortuna em tal estado,
E tanto a seus pés me tem rendido!
Não tenho que perder já, de perdido;
Não tenho que mudar já, de mudado.

Todo o bem pera mim é acabado;
Daqui dou o viver já por vivido;
Que, aonde o mal é tão conhecido,
Também o viver mais será escusado,

Se me basta querer, a morte quero,
Que bem outra esperança não convém;
E curarei um mal com outro mal.

E, pois do bem tão pouco bem espero,
Já que o mal este só remédio tem,
Não me culpem em querer remédio tal.

Luís de Camões


Enviado por Tópico
AntónioFonseca
Publicado: 23/05/2020 14:21  Atualizado: 23/05/2020 14:22
Colaborador
Usuário desde: 31/05/2013
Localidade:
Mensagens: 1115
 Re: BENDITA MALDITA VIDA ☘ ♧
Ora que bendito poema my love, onde os temperos da vida são os mais desejados.
Como é bom podermos temperar a vida ao nosso gosto, com ervas finas, sal no ponto, uma pitada de pimenta e malagueta, fazendo uns belos refugados, um agri doce também porque nesta vida, onde a morte é uma certeza, evitando o caminho da maldita vida, portanto olhemos e vivamos sempre pela positiva porque de ignorância e parvoíce está o mundo cheio!
Bendita e abençoada vida no dia que te conheci, loba guerreira.
🐺❤️



Enviado por Tópico
Maryjun
Publicado: 24/05/2020 23:40  Atualizado: 24/05/2020 23:40
Membro de honra
Usuário desde: 30/01/2014
Localidade: São Paulo
Mensagens: 6745
 Re: BENDITA MALDITA VIDA ☘ ♧
Boa noite, minha querida. Isabel,
Um texto pertinente. ..Parabéns. Beijos

Enviado por Tópico
marylouise
Publicado: 27/05/2020 10:06  Atualizado: 27/05/2020 10:06
Participativo
Usuário desde: 26/05/2020
Localidade:
Mensagens: 22
 Re: BENDITA MALDITA VIDA ☘ ♧
Olá Maria sou tua fã mas tu já sabes

Gostei muito deste teu soneto
é muito oportuno

"A vida passa e a morte vem sem demora"


Beijinhos temos que tomar um café ok


Enviado por Tópico
AntonioCosta
Publicado: 25/09/2020 10:41  Atualizado: 25/09/2020 10:41
Super Participativo
Usuário desde: 02/05/2020
Localidade:
Mensagens: 103
 Re: BENDITA MALDITA VIDA ☘ ♧
A CEBOLA DE NERUDA


ODE À CEBOLA

Cebola
luminosa redoma,
pétala por pétala
cresceu tua formosura,
escamas de cristal te acrescentaram
e no segredo da terra escura
arredondou-se teu ventre de orvalho.
Sob a terra
foi o milagre
e quando apareceu
teu lento caule verde
e nasceram tuas folhas como espadas na horta,
a terra acumulou seu poderio
mostrando tua desnuda transparência,
e como em Afrodite o mar remoto
duplicou a magnólia
levantando seus seios,
a terra
assim te fez
cebola
clara como um planeta
e destinada a reluzir,
constelação constante,
redonda rosa d’água,
sobre a mesa
das gentes pobres.

Generosa
desfazes
teu globo de frescor
no consumo
fervente da panela
e o fragmento de cristal
no calor aceso do óleo
transforma-se em anelada pluma de ouro.

Também lembrarei como fecunda
a tua influência o amor da salada
e parece que o céu contribui
dando-te fina forma de granizo
a celebrar tua claridade picada
sobre os hemisférios de um tomate.
Mas ao alcance
das mãos do povo,
regada com azeite
polvilhada
com um pouco de sal,
matas a fome
do trabalhador no duro caminho.
Estrela dos pobres,
fada madrinha
envolvida
em delicado
papel, sais do solo,
eterna, intacta, pura
como semente de astro,
e ao cortar-te
a faca na cozinha
sobe a única
lágrima
sem pena.
Fizeste-nos chorar sem nos afligir.
Tudo quanto existe, celebrei, cebola
mas para mim és
mais bela que uma ave
de plumagem ofuscante
és para os meus olhos
globo celeste, taça de platina
baile imóvel
de anémona nevada.

e vive a fragrância da terra
em tua natureza cristalina.

* * *

ODA A LA CEBOLLA

Cebolla
luminosa redoma,
pétalo a pétalo
se formó tu hermosura,
escamas de cristal te acrecentaron
y en el secreto de la tierra oscura
se redondeó tu vientre de rocío.
Bajo la tierra
fue el milagro
y cuando apareció
tu torpe tallo verde,
y nacieron
tus hojas como espadas en el huerto,
la tierra acumuló su poderío
mostrando tu desnuda transparencia,
y como en Afrodita el mar remoto
duplicó la magnolia
levantando sus senos,
la tierra
así te hizo,
cebolla,
clara como un planeta,
y destinada
a relucir,
constelación constante,
redonda rosa de agua,
sobre
la mesa
de las pobres gentes.

Generosa
deshaces
tu globo de frescura
en la consumación
ferviente de la olla,
y el jirón de cristal
al calor encendido del aceite
se transforma en rizada pluma de oro.

También recordaré cómo fecunda
tu influencia el amor de la ensalada
y parece que el cielo contribuye
dándote fina forma de granizo
a celebrar tu claridad picada
sobre los hemisferios de un tomate.
Pero al alcance
de las manos del pueblo,
regada con aceite,
espolvoreada
con un poco de sal,
matas el hambre
del jornalero en el duro camino.
Estrella de los pobres,
hada madrina
envuelta
en delicado
papel, sales del suelo,
eterna, intacta, pura
como semilla de astro,
y al cortarte
el cuchillo en la cocina
sube la única lágrima
sin pena.
Nos hiciste llorar sin afligirnos.

Yo cuanto existe celebré, cebolla,
pero para mí eres
más hermosa que un ave
de plumas cegadoras,
eres para mis ojos
globo celeste, copa de platino,
baile inmóvil
de anémona nevada

y vive la fragancia de la tierra
en tu naturaleza cristalina.

[Pablo Neruda, Odas Elementales, 1954]


Enviado por Tópico
AntónioFonseca
Publicado: 26/09/2020 16:10  Atualizado: 26/09/2020 16:10
Colaborador
Usuário desde: 31/05/2013
Localidade:
Mensagens: 1115
 Re: BENDITA MALDITA VIDA ☘ ♧



Bendita vida, maldita vida de sal cebola e alho

Open in new window


Enviado por Tópico
AntonioCosta
Publicado: 22/10/2020 09:37  Atualizado: 22/10/2020 09:37
Super Participativo
Usuário desde: 02/05/2020
Localidade:
Mensagens: 103
 Re: BENDITA MALDITA VIDA ☘ ♧
Excertos de Nas peles da cebola, de Günter Grass (2007)
“Quando abordada com perguntas, a recordação assemelha-se a uma cebola, que precisa ser despelada a fim de que seja exposto o que então pode ser lido letra por letra: e ela raramente é explícita, muitas vezes enigmatizada em escrita especular ou de qualquer outra maneira. Sob a primeira pele, que ainda estala secamente, encontra-se a próxima que, mal é tirada, expõe uma terceira, úmida, sob a qual aguardam e sussurram a quarta, e a quinta. E cada uma das outras exala o suor de palavras evitadas por demais tempo, também alguns sinais floreados, como se um merceeiro de segredos já desde jovem, quando a cebola ainda brotava, quisesse se disfarçar. […]. A cebola tem muitas peles. Elas existem em variedade. Mas está despelada, ela já se renova. Cortada, ela impele lágrimas aos olhos. Só ao ser despelada ela fala a verdade. O que aconteceu antes e depois do fim da minha infância bate à porta com fatos e correu de modo mais difícil do que eu queria, quer ser contado ora assim, ora assado, e me seduz a cair em histórias mentirosas.” (GRASS, 2007, p. 10–11)***