https://www.poetris.com/
Poemas : 

“Sic est vulgus”

 
“Sic est vulgus”
 







“No light, but rather darkness visible”



Dificilmente se nasce de geração espontânea,
Só eu digo claro o que penso nas minhas enigmáticas
Palavras que não têm mãe, apreciação, nem berço,
Que tanto faria terem saído do diabo ou de um penedo,

“Sic est vulgus”, subordinadas à hereditariedade,
Porque não me interrogam nem me espantam,
Apenas guardam mágoa, rancor e raiva, como ninguém
Foram geradas num ventre esterilizado de frade

A cujo dorso imoral e corrupto se assemelha
Esta minha escrita que mais valia não ter nascido,
Eu próprio vivificado no oficio das paixões terrenas,
Constantemente na frente, de cruz na mão esguelha,

Nunca hei-de estar no centro, nem dentro
Das comuns, vividas pelo comum dos homens,
Não faço parte dos crentes de domingo,
Evoco os feitiços e a floresta à lua prenha,

Tal qual o cio dos lobos e as facções em luta, a rixa
Na clareira pelo domínio sobre a raça, a tribo,
A liça, a faca que cultivo porque é real e precisa,
Privilegia a permuta quando é de corpo que se muda,

Dificilmente se nasce de geração espontânea,
Todas as formas de vidas provêm de uma substância
Nobre e com regras mundanas, sem ela é impossível,
Já meu dom cresce do extremo, nasci tão blasfemo

Quanto um vulgar escarro humano ou um pelo púbico
Arrancado em pleno acto de Contrição…




Jorge Santos 11/2019

https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com




Jorge Santos - aliás Joel Matos

 
Autor
Jorge/Joel
 
Texto
Data
Leituras
152
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge/Joel
Publicado: 02/07/2020 12:27  Atualizado: 02/07/2020 13:05
Subscritor
Usuário desde: 02/06/2020
Localidade:
Mensagens: 329
 Re: “Sic est vulgus”
Open in new window

Enviado por Tópico
Jorge/Joel
Publicado: 14/07/2020 16:47  Atualizado: 14/07/2020 16:48
Subscritor
Usuário desde: 02/06/2020
Localidade:
Mensagens: 329
 “Se não houver espanto, não há poesia”
“Se não houver espanto, não há poesia”
F. Gullar