https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Fantasia : 

Adeusar

 
Tags:  vida    poemas    surrealistas  
 
Na terceira vez a forma,
Antes do encanto o redondo dos desejos,
Esferica a resposta à glória da dedicação,
Com metro,
Passo a passo a lonjura para o compromisso,
Encurta a distância que tinhas prometido,...

Não estipulo a verdade,
Nem as críticas à sua hermenêutica,
Anoto só cada grito,
Todas as exaltacoes que são veículos,
Para as perfeiçoes possíveis,...

Ao longe a despedida,
Ao perto a frase embrulho que combinamos,
À medida,
Para a envolver

 
Autor
theartist_lc
 
Texto
Data
Leituras
538
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
26 pontos
6
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/06/2020 10:20  Atualizado: 25/06/2020 11:43
 Re: Endeusar
Esféricas são hermesetas ...


Open in new window




Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 25/06/2020 20:01  Atualizado: 25/06/2020 20:02
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1976
 Re: Adeusar
Quando um verso dum poema tem a palavra hermenêutica, puxa-me o comentário.
"Adeusar" é um neologismo, ou uma forma verbal invulgar do Dizer Adeus.
Parece, pelo menos, e acho bem formulado.

O sujeito poético começa na primeira estrofe a falar da forma, que na poesia tem um lugar cativo. Há algum engenho em persegui-la. Muitas vezes em detrimento da ideia, das figuras de estilo complexas e trabalhadas.
Fala então da métrica, amiúde antes do "...encanto..." e como encantatória pode ser alguma poesia...

Mas há um disfarce esférico que é adicionado, embora, ao nível da metáfora, há aqui um embrulho, pois a esfera é um sólido com um número infinito de faces (1).
Isto é, se colocarmos um cubo a rolar a uma certa velocidade sobre o seu centro, passamos a ver uma esfera.
Jogar à bola é fútil quanto baste.

"...Anoto só cada grito,
Todas as exaltações que são veículos,
Para as perfeições possíveis,..."
Gosto muito destes versos da segunda estrofe.
Há muita força no grito. Violência.

Na conclusão do poema há um pleonasmo muito bem feito porque fala-se da "...despedida..." na despedida (fim) do poema, e os últimos dois versos chegam a ser geniais.

O que não é uma frase senão um verso, ou, o que não é um verso senão uma frase?

Abraço irmã\o