https://www.poetris.com/
 
Contos -> Minimalistas : 

O Velhadas Que Não Gostava De Ler Listas Telefónicas e Enciclopédias De Alfarrabistas

 
Dos livros de bolso


Anúplio Espírito Santo tinha noventa e seis anos.
Ainda vivia na casa da sua mãe, herdada há pouco. Eram longilíneos no tempo. Lá prós lados da cidade de Évora.
A lonjura acabara consigo.
Enterrou dois filhos, e enterrará três netos de acidente de viação.
Os filhos, já falecidos, morreram de velhos, isto é, um com um enfarte, aos setenta e o outro com um AVC hemorrágico, dois anos após, com setenta e seis.
Lembraram-se todos de ir para a terra, seguindo uma estranha tabuada do dois, de há seis anos para cá.

Caminhava seis quilómetros por dia, devagar e com vagar.
Isto porque há trinta e seis anos achara, num vilarejo próximo, um alfarrabista com pouca idade.


Agora com quarenta e oito, Santiago, passara a vida toda a cheirar a velho. Tinha um vício inconfessável ao perfume do papel, usado em páginas escritas com mais três década, ao menos.
O Pai, de quem herdara a loja, tivera o alfarrabista também assim.
Tinha um nome pomposo. Alfarrábio. Porque óbvio, e queria-se irónico e diferente.

Quase no centro, inicialmente foi pensado para se chamar Gil Vicente, como o eborense.
Livraria Gil Vicente parecia um pouco teatral. Tinha tido que contratar um actor para a caixa, ou um encenador para a contabilidade.

Assim, um rapaz da faculdade de letras usava o part-time, da parte da tarde, para pagar as propinas e parte do alojamento.
Era um macambúzio de dezanove, que estudava literatura neoclássica e iniciava-se na arte de escrever.
Sorrisos, nem vê-los.
Apenas mostrava competência alfabética. A mãe dizia-lhe que, o mestrado, era uma continuação de família. Ele hesitava, mas desde que chegara a Évora, vindo do Norte, que lhe comichavam os sotaques.

Anúplio embirrava com ele.

Depois de almoçar o costume almoço, que fazia com acostumado prazer, lá ia digerir o dejejum mínimo, para o Alfarrábio.
Nas duas horas que levava, ouvia Amália, que escolhera criteriosamente para a sua playlist, o smartphone era uma das últimas recordações do seu caçula.
Amar Amália, era a única facilidade do seu ser. Um velho ser, ia pensando, enquanto a sua ida tartarugava.
Já nem cãs tinha, nem se lembrava da cor das suas pilosidades, em nenhuma idade. Foram substituídas, há duas décadas, pelas rugas, autênticas autoestradas de pele a ressequir.
Continuava hirto, seco, impaciente com o moço e conversador com Santiago, que fazia-lhe lembrar o avô, seu amigo de infância.
Demógenes tinha trabalhado numa tipografia, e assim que o filho abriu a livraria, era um interessado.

Os livros quase não eram vendidos.
Santiago fora demitido sem justa causa, da Biblioteca Pública de Évora por dois motivos. Um deles inválido. A primeira bibliotecária acusara-o de assédio sexual e excesso de zelo.
O horário mantido na bicentenária era tranquilo, e permitia a qualquer ser de vaga esperteza gerir o esforço e o tempo. Santiago trabalhava demais. A D. Celeste sentiu uns certos calores íntimos quando o contratou, mas ele era só livros. E quanto mais velhos, melhor.
Há algo de muito cruel numa mulher desprezada.

O motivo que o levou a aceitar com paz a demissão é insuspeito. Desde cedo, na escola, não conseguia enumerar a ordem alfabética. Era capaz de identificar as letras e os algarismos, descodificar qualquer texto, resolver funções derivadas de segundo grau, mas era incapaz de passar de A para B. Ou C.

A organização da livraria do Pai era feita por si. A freguesia não dava com os métodos de pesquisa que eram encontrados em todo lado.
Até ao ponto de serem por tema ainda corria tudo muito bem. Depois, o critério era chamado de Procura Santiago.
A Procura Santiago era simples, não se procurava. Ia-se ter com o Santiago ele ia à maquineta com ecrã plano, e o portátil da Apple dizia onde os encontrar.
O algoritmo que Santiago criara numa pós-graduação de programação, facilitava a sua vida após a herança.
Ao introduzir os dados no programa, ele indicava em segundos onde o arrumar, assim que chegavam das editoras, ou de uma pesquisa noutros alfarrábios que fazia pelo país e estrangeiro. E onde os encontrar.

Entre conversas Anúplio, envelhecido pelo injuriado tempo, ia conhecendo modernices como esta.
Mas adorava deixar o Santiago e o universitário em pólvora, prestes a rebentar, quando ia na sua impressa às Estantes.
Remexia em livros da sua idade, com que se parecia...

E que falavam sempre consigo.







Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
218
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Violante
Publicado: 01/01/2021 22:54  Atualizado: 01/01/2021 22:54
Da casa!
Usuário desde: 10/09/2019
Localidade: Campinas, Brasil
Mensagens: 412
 Re: O Velhadas Que Não Gostava De Ler Listas Telefónicas ...
Li e reli seu conto com prazer.
Grata pela sua publicação.

Feliz ano novo.



Carpe diem