https://www.poetris.com/
Textos -> Tristeza : 

Cárcere privado, parte 3

 
Tags:  menina    tortura    sequestro  
 

Logo depois do primeiro mês de cativeiro Ella começa a sentir enjoos e de vez em quando vomita. Jair que ficava fora o dia todo e a noite sempre dormia com Ella logo desconfia de uma possível gravidez.
O tempo passa e um dia ele sai as pressas e volta com uma parteira. Horas depois nasce uma menina que recebe o nome de Ana. A menina agora com 12 anos é mãe.

Jair coloca de tudo dentro da casa, mas Ella é obrigada a se virar sozinha com sua filha. Para Ella, Ana era a sua boneca viva e dentro das circunstâncias faz com louvor o melhor que pode.
Infelizmente aos nove meses, enquanto ainda engatinhava Ana falece. Ana era bem gordinha e seu coração era fraquinho, um dia ele não suportou o esforço diário e parou de bater.
Ella sofre muito por essa perda e chora durante dias. Na esperança dela parar de chorar, Jair sempre a leva ao cemitério para Ella depositar flores no túmulo da filha.
Depois de um tempo, ele paga suborno ao porteiro do cemitério para manter os portões fechados. Assim Ella tem de buscar outra forma de se compensar emocionante.
Contudo logo em seguida Ella se vê novamente grávida.
Desta vez nasce um menino. Seu nome é Marcus. Ella agora tem 13 anos e redobra os cuidados com o filho.
Ella ora dia e noite pedindo a Deus saúde para seu filho. Marcus é uma criança esperta e goza de boa saúde.
Apesar de tudo Jair por qualquer motivo continua batendo e judiando dela. Não há empatia nele, apenas crueldade.
Ella agora não pensa muito em sua mãe e pai, apenas no filho.
Jair prosperou na sua vida de crime. Suas atividades criminosas eram extensas. Esquadrão da morte, tráfico de drogas, extorsão, sequestro e roubo eram suas principais fontes de renda. Tinha conchavos com políticos e ganhava muita propina. Ficou rico e passou a frequentar a alta roda da sociedade. Muito vaidoso e orgulhoso, só se apresentava com sapatos de couro e terno branco. Cabelo muito bem tratado e liso. Estava muito confiante e passou a comprar roupas caras para Ella e a levava a festas para exibir como troféu. Ninguém ousava questionar sobre a moça, mesmo sabendo que ele era casado. Extremamente ciumento e desconfiado não deixava que Ella conversasse com ninguém. Ella tinha que ficar sentada e quieta. Se olhasse para os lados, depois era severamente espancada. Devido a estas surras Ella teve seis abortos. Certa ocasião enquanto voltavam de uma festa, ele a espancou e a atirou no mato. Foi encontrada no outro dia por trabalhadores rurais e levada para o hospital onde ficou internada. Três dias depois ele a leva para casa normalmente, como se nada acontecera. Era comum ele a arrastar pelos cabelos pela casa e lhe torturar apagando cigarros em seu corpo. Jair tinha uma obsessão mórbida por Ella.
Ella teve filhos um atrás do outro. Quatro meninos e três meninas, sendo que Ana faleceu aos nove meses. Agora Jair a ameaça com os filhos, mataria todo mundo, caso Ella tentasse fugir ou abrir a boca.
Contudo os filhos crescem.
Aos 23 anos de idade a família de Ella está completa e por problemas no ovário não consegue mais engravidar.
Mais confiante e madura Ella começa a realizar várias tentativas frustradas de fuga, pois Jair sempre mantêm vigias por perto. Os castigos são frequentes e inevitáveis.
Em sua última tentativa de fuga Jair a amarrou na porta da casa com braços e pernas abertas, fumando um cigarro um atrás do outro e lhe queimando com a ponta do cigarro acessa. Todos os filhos foram obrigados a presenciar a cena de selvageria, o ódio pelo pai só crescia e os planos de vingança também.


No desamparo familiar surge a luz do acolhimento.


 
Autor
sendoluzmaior
 
Texto
Data
Leituras
41
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 05/07/2020 15:54  Atualizado: 05/07/2020 15:54
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16667
 Re: Cárcere privado, parte 3
Sidney
Que conto macabro! Ella não teve infância!
Abraço!
Janna