https://www.poetris.com/
Poemas : 

Ausência

 
Tags:  amor    saudade    Luciano Spagnol    ausência  
 
Hoje eu permitirei que a saudade morra em mim
Os teus olhos agridoce me engulam de solidão
Porque nada te poderei dar, senão, está dor sem fim
Exausto me vejo na janela, e o quarto na escuridão
Ao fundo, uma melodia ao som de bandolim.
Assim, me sinto na tua lembrança e tu na minha emoção
Não te quero ter por apenas te ter, quero ir além
Porém, cada gesto, palavras, suspiros, a alma em convulsão
Então, não diz nada porque o teu silêncio me convém
Os teus abraços em outros braços enlaçaram.
Sinto que estas distante e sem uma tal essência
Eu deixarei… tu irás, e as madrugadas companhias serão
E assim, eu serei e você será… ausência!

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
Junho de 2018 - Cerrado goiano
Paráfrase Vinícios de Moraes

Vídeo no YouTube:
https://youtu.be/3AJmP8w97Vk



Sou alma do cerrado, pé no chão, do triângulo, do chapadão. Pão de queijo com café, fogão de lenha, das vilas ricas, arraiais, filho de Araguari, das Gerais...
(© Luciano Spagnol - poeta do cerrado)

 
Autor
LucianoSpagnol
 
Texto
Data
Leituras
22
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.