https://www.poetris.com/
Poemas -> Reflexão : 

Enfabulador

 
Tags:  vida    poemas    introspeção  
 
Já o tinha dito:

foi a tarde mais horrível
do tempo escasso que
dispôs antes de apagar
a noite em luz,
comprometeu-se a que aquele
desvanecer de dia,
fosse o
mais memorável das vidas
ensonadas de um bairro inteiro,...

escreveu-o no vento pouco que
varria as esquinas das purgas
insonoras da saudade,
seria o que os ditongos
humanos quisessem,...

dar-lhes-ia a exclamação
em mãos acostadas em cruz,
deslizado do país das lendas,...

ficou o que quem luta foi
capaz de dizer a quem chora

 
Autor
joanazdemelo
 
Texto
Data
Leituras
107
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
6
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge/Joel
Publicado: 30/06/2020 15:23  Atualizado: 30/06/2020 23:40
Subscritor
Usuário desde: 02/06/2020
Localidade:
Mensagens: 329
 Re: Efabulador
Obrigado Cristina, (penso eu) por não sentir como os demais ... (Efabulador-contador de historias ou fábulas)




Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 01/07/2020 07:19  Atualizado: 01/07/2020 07:21
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1905
 Re: Enfabulador
A questão é mesmo de saber gerir expectativas.
Nirvana, na filosofia budista significa "a extinção do fogo" e determina se nada quiseres não podes ser infeliz, logo és mais feliz nada querendo e nada tendo, que é o que queres.

Isto porque fiquei no matute dos últimos dois versos.
Há quem diga que dar aulas hoje em dia é perda de tempo porque os miúdos não querem aprender. Sempre foi assim.
Uma vez ouvi, que se numa turma de 30 se aproveitar um já terá valido a pena, independentemente da dimensão da alma.
Volto-me a referir ao dístico.

Formalmente o poema vai perdendo dimensão. Como que se procurasse levar o leitor a essa perda.
Contudo, no conteúdo essa dimensão vai crescendo.
Engenhoso. 9, 5, 3, 2. O número de versos, seguindo a ordem das estrofes e de cima para baixo.

Por algum motivo parvo não contei com o primeiro verso que introduz.

"...o que os ditongos
humanos quisessem,..."
Que metáfora estranha, deu vontade de destacar!

Obrigado por me inspirares mais um comentário

Abraço irmã\o