https://www.poetris.com/
Poemas : 

(Demente em contra-mão)

 
(Demente em contra-mão)
 





(Demente em contra-mão)



Pra mim o inferno
É onde toda’luz é rara,
Dispersa a névoa,
Suspensa no dia,
Em que tud’é pó
E no que me fizer então,

Pra mim o paraíso
É aí e só falta beber
A ira d’est’alma torda,
Que me conjura e dói,
Como o instinto aceso,
Dum louco no verão,

Pra mim o inferno
É onde me sento,
Timoneiro de cento
E um torpedeiros e penso
Se amanhã serei eu pó
Em contra-luz, eu não,

Apenas céu e vento lento,
Minh’alma sem ralho,
Bocejo de “gajo” manso,
Disperso, infeliz “à sorte”
De fruta podre e tão só…
(Demente em contra-mão)







Jorge Santos (05/2018)





https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com




Jorge Santos - aliás Joel Matos

 
Autor
Jorge/Joel
 
Texto
Data
Leituras
28
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.