https://www.poetris.com/
Poemas -> Reflexão : 

Despedida

 
Despedida

Entre o penhasco e a floresta,
subo o íngreme monte pejado
de flores silvestres matizadas.
E nas trilhas ladeadas de giesta,
arfa-me erróneo o peito cansado
na teimosia destas caminhadas.

E, no penhasco, estaco atento
ao feroz fragor do mar na fraga,
ao piar das gaivotas esvoaçando.
E as ondas em renovado alento,
num vai-vem de perdida saga,
de laivos de espuma, chorando.

E o sol se refugia no ocaso fusco,
doando seu reino à noite estrelada,
que avança lenta, húmida e fria.
E eu, hirto, com meu olhar busco,
entender esta fusão tão arrimada
e perco-me na ilusão falsa de acalmia.

Do meu corpo dolente, se esvai a vida,
e, só, por última vontade, me despeço
sem regatear paixões frívolas de outrora.
Amores foram ilusões de gente sofrida;
nada mais desejo, nem poemas ofereço,
fim - aqui me quedo - chegou a minha hora!


João Loureiro (Poeta sem Alma)


Poet@ sem Alm@
João Loureiro


Open in new window

Após ter estado em coma induzido e recuperado. Chegou a hora de me repensar...
 
Autor
Poeta.sem.Alma
 
Texto
Data
Leituras
181
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/11/2020 14:53  Atualizado: 26/11/2020 14:53
 Re: Despedida
confesso que esta forma de poesia não costuma cativar-me apenas pela forma que... não interessa. mas gostei deste escrito aparentemente pela intimidade humana que revela. vou ser crítico como sempre e dizer que amores nunca e jamais serão ilusões respeitando a dor que me entra na pele pelo poema e... e pronto. nunca gostei muito da morte, às vezes eu e ela... fazemos sexo mas... sinto-me sempre na obrigação de a foder. é uma longa estória. não leve a mal, eu nunca soube nada e muito menos comentar, mas... conheço um rapaz que se despede desde que o conheço. bem sei que acabará por partir sem se despedir porque odeia despedidas. que se foda a poesia