https://www.poetris.com/
Poemas : 

Dopamina

 
Sinto-me indiferente a cada dia...
Perambulando entre as estações do ano,
Me corroendo pelos corredores da mente
Acho que é impossível, que cicatrize minha ferida.

Com Movimentos contínuos,em meio a chuva
Enterro-me no túmulo cavado pelo prazer,
E em desespero meu corpo entra lentamente,
Enquanto o tempo se apressa para me entregar, o clímax de minha vulgar história.

Ao chegar, as considerações finais,
Oque fica é o vazio... um cansaço amedrontador,
E oque antes era uma libertação,
Se torna o conceito mais puro de punição.





 
Autor
Pinnipedia78
 
Texto
Data
Leituras
86
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Aleatórios
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.