https://www.poetris.com/
Poemas : 

Alvor

 
Tags:  festa    Ria  
 
Em Alvor cresci, junto à sua ria, onde muito nadei,
muito berbigão eu lá, com meus irmãos, apanhei.
Eram tempos do cigano Lineu e da cigana Estrela.
Ele vendia mulas e seus burros, ela bordados a estrear.

Havia a Maria Caloa, com a qual todos gozavam,
por ela não se lavar.Também o Raul, no seu praguejar,
e o aguadeiro, com sua carroça, vendia cântaros de água a apregoar.
E meu pai vendia batatas de rua em rua, às senhoras que compravam.


Eu regava as batatas e o milho nas duas hortas de meu pai,
e tratava das vacas e dos porcos, sem nunca dizer um aí.
Nas descascas do Armando Isidoro era depois baile e festa.


Eram tempos belos, sem ter televisão, em que se ouvia as rádio novelas,
eram tempos dos "Abba" que cantavam "Fernando" e canções outras...
Assim naquele tempo, eu sempre dizia, não há Alvor como esta!



Já fui Pastor das Assembleia de Deus em Portugal. Mas depois de ter ficado doente com a doença de Parkinson tive que deixar o ministério...Hoje estou na Unidade de Longa Duração e Manutenção de Albufeira...

 
Autor
HELDER-DUARTE
 
Texto
Data
Leituras
95
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
6
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 29/11/2020 17:18  Atualizado: 29/11/2020 17:18
 Re: Alvor
ah malandro! sim senhor! eu gostei deste texto. um texto a lembrar tempos idos. as mulas... coitados dos burros eheh oiça lá, com que é que você regava as batatas? não diga não diga o seu pai devia ser fresco devia, será que ele tratava bem as vacas! coitadas, já não devem cá estar para se queixarem senão eu ainda queria ver... os porcos com certeza devia ser à varada eheh
olhe estava aqui a pensar que fui pescador muitos anos e nunca pesquei na ria de alvor. vem de monchique por ali abaixo... grato




Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 29/11/2020 17:43  Atualizado: 29/11/2020 17:44
 Re: Alvor
o meu amigo não me leve a mal, mas eu sou um bocado atrevido e há certos assuntos pelos quais sou curioso, e você que em tempos viveu ou conviveu com a igreja de perto talvez me pudesse elucidar sobre o seguinte: nos conventos, e nessas casas onde vive quem estuda e mesmo quem já é cordeiro do senhor só há homens, e eu fico a pensar, como é que eles fazem para satisfazer as suas necessidades fisiológicas sexuais? ainda por cima poucos são os que trabalham no campo e por isso poucos serão os que teem calos nas mãos. digo eu!
as cantoras do grupo abba são bonitas não são! pois... por acaso nunca gostei muito da canção fernando mas...
qualquer dia temos de oferecer um sabote ao mundo religioso