https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Esquecer é ser esquecido

 
Tags:  Namastibet    Joel Matos  
 
Esquecer é ser esquecido
 









Esquecer é ser esquecido e saudade a substância do vidro,
Um adormecer em forma de dom, em que consciência
E apego são bastardos naturais de uma mesma escara,
Nascidos no ventre uma de outra como tumores, abscessos
Malignos, ambos com igual instinto, cada um nega
Parentesco e origem, coisa triste o’dormecer da vontade,

Confesso a indiferença, sobrevivo nulo perante crenças
Fuinhas, confundo a porta dos fundos com a plateia,
Sendo eu próprio escalador de vácuos e espectador
Assumido de mim mesmo, que o digam os acenos
Sem conteúdos, as palmas de despedidas, mas eu atuo
Como um deus seminu de brilho, não suporto fingidas cenas,

Sou opinativo do tutano à nuca por não ter certezas
Concluídas nem nunca um modo de ver tão simples
Quanto o espectro da candura, sou por direito absoluto
Monarca como fardo, e um tísico embora o meu espirito
Seja dono do mundo por não haver outro, tirando este
O qual amo mais que tudo, esquecer é ser esquecido,

Nasci liberto de domínio e é assim que serei, desprezo
Tiranos altivos como proas de navios decretando quem
Morre e quem fica perene, embora cacos de lembranças.
Tudo é poesia, até o que se esquece, acontece-me às vezes
Esquecer aquilo que não quero e concluo ser alergia
Ao que suponho querer e não me faz falta nem quero,

Esqueço em homenagem a mim próprio e ao absurdo
Ensejo que é ser suposto facto e não ciente realidade,
Qual ritual duvido de coração e alma. Agora é pra sempre,
Fui descuidado na seleção do que se esquece, esqueci
Ainda ontem a utilidade como se fosse uma derrota
E a saudade do que hei-de ser eu não, a ilusão do sonho

Ou o trinfo da morte concreta, o crepúsculo não se
Mede, nem é uma ciência, do meu coração às vezes
Duvido, mente-me acerca de um régio destino e eu
Indigno do que creio ter, um raro instinto de poente,
Saudade é gente que o esforço não apagou e a maioria
Vive em mim, ser esquecido é esquecer, escolha-visco.

Admito tecer por dentro uma teia com fios de vidas
Que mais parecem sonhos de vidas que não tenho
Mas conheço ainda que doa não ser eu um outro ser
Menos fragmentado entre consciência do desapego,
O chocolate e a cereja, o paladar da estranheza,
O prazer de ser esquecido como manifesto à indiferença,

Encaro-me com o desapego que tão dolorosamente
Represento a sós comigo, chamo-lhe de “necessidade
De me sentir vivo” essencial à falha de que me rodeio,
Sem que me aperceba não sou eu, mas um outro eu,
Semelhante a mim mesmo e enfim esquecido, sobejo …









Joel Matos (Junho 2020)



http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com






Jorge santos / Joel Matos




 
Autor
(Namastibet)
 
Texto
Data
Leituras
670
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
9 pontos
7
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Mr.Sergius
Publicado: 03/12/2020 22:34  Atualizado: 03/12/2020 22:34
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2018
Localidade:
Mensagens: 548
 Re: Esquecer é ser esquecido
Salve Jorge! É uma satisfação voltar a ler teus escritos aqui neste site. Sabes que não se trata de adulação ou qualquer adjetivo similar. Como adepto do surrealismo, faltava-me algo entre bons poemas, confesso, alguns notáveis. Todavia as madressilvas seguem orlando os bosques com sua mágica ancestral.

Open in new window




Enviado por Tópico
Veit
Publicado: 03/12/2020 22:53  Atualizado: 03/12/2020 22:53
Super Participativo
Usuário desde: 14/12/2019
Localidade:
Mensagens: 148
 Re: Esquecer é ser esquecido
Feliz com o seu retorno.