https://www.poetris.com/
Sonetos : 

INTERVALO

 
Tags:  amor    cerrado    Luciano Spagnol    sofrência    Intervalo  
 
Te digo que da saudade que tenho
Toda a agonia para assim trovar-te
Entendas, então, foi só por ama-te
Que neste soneto chorar-te venho

Agora é só o suspiro que detenho
O afeto não é mais doce encarte
No coração, apenas parte a parte
Dum vazio que no olhar contenho

Noutro tempo era muita fantasia
Desfez em engano solto ao vento
Escorrendo pela sofrente poesia

Dor, também, doeu no sentimento
Provando do amor puro de magia...
Aí, notei que não era teu momento

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
04/01/2021, 13’33” - Triângulo Mineiro

Vídeo no Canal do YouTube:
https://youtu.be/cITjWcoYfl0



Sou alma do cerrado, pé no chão, do triângulo, do chapadão. Pão de queijo com café, fogão de lenha, das vilas ricas, arraiais, filho de Araguari, das Gerais...
© Luciano Spagnol - poeta do cerrado

 
Autor
LucianoSpagnol
 
Texto
Data
Leituras
54
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HELDER-DUARTE
Publicado: 05/01/2021 19:31  Atualizado: 05/01/2021 19:31
Colaborador
Usuário desde: 24/11/2006
Localidade: Albufeira
Mensagens: 618
 Re: INTERVALO
Sem dúvida, quem ama sofre sempre! Abraço!