https://www.poetris.com/
Sonetos : 

BAMBO

 
Tags:  amor    poeta    cerrado    Luciano Spagnol    BAMBO  
 
Se o amor bater de novo na sensação
arrependido, para o meu sentimento
hei de dizer-te tudo com cara razão
e poética, quanto rasga o sofrimento

Pouco importa, ter já o entendimento
da dorida dor, sei eu, do luto e paixão
pois bem, nem mesmo o tal momento
do bom, tudo é mais uma recordação

Então, não venha mais virar a tramela
adentrar o meu olhar, e descontrolar
Nos caminhos sempre terá outra viela

O amor vezeiro, é amor com alarido
bambo, perdido, tem basta o pesar
(só a morte) e nada mais é sabido!

© Luciano Spagnol - poeta do cerrado
14/01/2021, 09’01” – Triângulo Mineiro

Vídeo no Canal do YouTube:
https://youtu.be/voSJ6b_kkJM


Sou alma do cerrado, pé no chão, do triângulo, do chapadão. Pão de queijo com café, fogão de lenha, das vilas ricas, arraiais, filho de Araguari, das Gerais...
© Luciano Spagnol - poeta do cerrado

 
Autor
LucianoSpagnol
 
Texto
Data
Leituras
37
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.