https://www.poetris.com/
Poemas : 

O azul dos teus olhos castanhos

 
Desenho-te,
em cenários de azuis.

Junto
música e seda.
Seda melodiosa,
música acetinada.

Adivinho-te,
em oceanos
de azuis profundos,
quase abissais,
onde dançam
e se entrelaçam
os sons e os tons,
na alma de um violino,
no canto das sereias.

Sinto,
na magia do azul,
a doçura do olhar
dos teus olhos castanhos.

G.

 
Autor
Gilda.
Autor
 
Texto
Data
Leituras
116
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
18 pontos
4
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 30/03/2021 16:58  Atualizado: 30/03/2021 17:29
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1934
 Re: O azul dos teus olhos castanhos
Temos poema!

Exclamo sem medo e cada vez menos dúvidas.
Desde o título, que tem o condão de causar-me alguma perplexidade, mas que tem como as conjugações das cores um efeito poético assinalável. O azul como metáfora, adjectivando os olhos duma forma diferente, aludindo talvez à melancolia, ou apenas, talvez, à preferência do sujeito poético, referindo o belo.
É um título despretensioso, mas muito apelativo.
Referindo-se desde este título a uma segunda pessoa nos "...teus olhos..." entramos no poema e na sua inspiração, creio.

Na introdução, na primeira estrofe, volta o azul, no plural, substituindo o branco sobre o qual se escreve e se desenha, sendo o desenho uma forma nobre de expressão, a letra "desenhada" é a bonita. O sujeito poético mostra um objecto idealizado, ou, no mínimo, admirado. Muito interessante.

A quadra que se segue, mantém as ideias\imagens de elevação, sendo a metáfora da "...seda..." como tecido nobre e a melodia como a a harmonia dos ruídos, exemplos bem conseguidos.
Ao "...junto..." (será o verbo? seria uma graça o nome...) parece desejar proximidade. Uma doce confusão a minha

A terceira estrofe, mais longa, expressa num sonoro "...Adivinho-te..." não perde a qualidade, gosto da maioria dos versos, embora os "...sons e os tons..." tão presentes até agora, ganham uma personificação gostosa, enchendo o poema de figuras de estilo, fixa o mote no canto, seja no violino com "alma", ou no mais habitual "...canto das sereias..."

Acaba com chave de ouro. Duma forma mais simples, é certo, mas que fixa o corpo do texto ao título e eleva o "...castanho..." ao tom do céu.

Obrigado pelo poema.
Devo dizer, ao fim de cinco textos muito parecidos na qualidade, que vou seguir-te com atenção.
Gosto da forma como respeitas a tua escrita, a nossa língua, até no cuidado como até agora tens seleccionado o que publicas.
Bem-vinda aos meus favoritos.


Enviado por Tópico
ALFA
Publicado: 30/03/2021 18:09  Atualizado: 30/03/2021 18:09
Colaborador
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 1052
Online!
 Re: O azul dos teus olhos castanhos
Neste (a) mar de suavidade
Dançam belos sentimentos
Só precisa descobrir a chave
Pró amor dar condimentos.

Os belos olhos castanhos
Na odisseia de seu brilhar
De seus amores tamanhos
Deixam entranhas a sonhar!