https://www.poetris.com/
Poemas : 

Ausência

 



É de borboletas que falo. E de azuis ziguezagueantes
num tempo de voos ardentes
e sorrisos vagabundos
que ruíram
magoados
no fogo cintilante do horizonte.

É de borboletas que falo. E de asas singelas
inconscientes
vestidas de regaços quentes
a esvoaçar para fora dos meus olhos
à procura das horas
bordadas a fio dourado de utopia.

É de borboletas que falo. E de incertezas dormentes
onde fiquei aprisionada na espera pendurada
dos gestos puros do nascer do sol
que libertassem do silêncio
a pele que esvaziei
quando me desabitei
ausência
no lado de lá do vento.



G.

 
Autor
Gilda.
Autor
 
Texto
Data
Leituras
98
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Esqueci
Publicado: 01/04/2021 15:18  Atualizado: 01/04/2021 15:42
Super Participativo
Usuário desde: 02/11/2019
Localidade:
Mensagens: 174
 Re: Ausência
"É de borboletas que falo. E de asas singelas
inconscientes
vestidas de regaços quentes
a esvoaçar para fora dos meus olhos
à procura das horas
bordadas a fio dourado de utopia."

sonhei ao ler estes seus magníficos versos, por onde nos consegue projetar tão bem as imagens,
Parabéns!

abraço:)


Enviado por Tópico
ALFA
Publicado: 01/04/2021 18:01  Atualizado: 01/04/2021 18:01
Colaborador
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 1052
 Re: Ausência
E as noites se fizeram dia
Na aurora incandescente
Na envolvência da magia
O amor se sente ausente!

Mas nada é concludente
O vento nunca esvanece
Aquilo que está ausente
Com mais força regresse!