https://www.poetris.com/
Poemas : 

Imprevistas madrugadas

 
E talvez hoje me possas dizer

da passagem de uma luz generosa

em que te aceitas vivo e te confundes

com as árvores da manhã.

Caíram sobre o silêncio do rio

imprevistas madrugadas de primavera.

E tudo muda, o vento, o mar,

as terras alagadas. És tu a memória

do mundo, a pele das casas caiadas.

És tu o tempo do teu corpo, a raiz da tua

estrada.

És tu a folha branca e a palavra clara

em que refazes o chão onde tudo se aproxima

dos fascínios adiados dos teus olhos.







"Fizeste da tua vida
Uma catedral abandonada
Horas esquecidas
Em adoração nocturna
Pedindo silêncio
A tudo o que perdeste."

Luís Falcão, in "Pétalas negras ardem nos teus olhos"


 
Autor
evelina
Autor
 
Texto
Data
Leituras
144
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ALFA
Publicado: 30/04/2021 00:05  Atualizado: 30/04/2021 00:05
Colaborador
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 1089
 Re: Imprevistas madrugadas
As coisas mais imprevistas
Dão guarida às alvoradas
Fazendo abrir suas vistas
Das sublimes madrugadas!


Enviado por Tópico
Mr.Sergius
Publicado: 30/04/2021 03:53  Atualizado: 30/04/2021 03:53
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2018
Localidade:
Mensagens: 777
 Re: Imprevistas madrugadas
Tuas madrugadas imprevistas têm cheiro de uma primavera, da qual neste hemisfério, estamos distantes. Para alcançá-la ainda temos um outono e um inverno a vencer, mas tudo muda, sim, é verdade. E mudará. Saudações.