https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Quadro

 
Queria ser sábia.
Ou adivinhar.
Ou desconfiar.
E chegar às certezas.
Não para ser perfeita, antes, para ser perfeito.
Queria saber escolher as palavras e dar-lhes movimento.
E escolher o sonho.
Sim porque eu ainda sei sonhar momentos, cheirando a alfazema e a mar.
Albatrozes voando nos mares do sul.
Manhãs de neblina nos mares do norte.
E sonhos que queria possíveis.
Queria sonhar impossíveis.
E ser sábia neles.


Marina Neuza Barbosa

 
Autor
Marineuza
Autor
 
Texto
Data
Leituras
228
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
6
4
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ALFA
Publicado: 13/06/2021 21:36  Atualizado: 13/06/2021 21:36
Colaborador
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 1200
 Re: Quadro
Um quadro tudo eterniza
Pintado de várias cores
Nele baterá ligeira briza
Onde ressaltam amores


Enviado por Tópico
Esqueci
Publicado: 14/06/2021 14:02  Atualizado: 14/06/2021 14:02
Da casa!
Usuário desde: 02/11/2019
Localidade:
Mensagens: 361
 Re: Quadro
Poder adivinhar, porque ainda há tanto que gostava de poder dar.
Gostei muito destas palavras de sonho, entre o sonho e uma possível realidade.

Um abraço amigo :)


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 14/06/2021 18:41  Atualizado: 14/06/2021 18:51
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1961
 Re: Quadro
Tem algo de confessional o teu poema.
Este "Quadro" é todo uma lista de desejos que parece que apresentamos ao Pai Natal.
"Queria..." e vais por aí adiante dum modo inocente, sonhador, esperaçoso, a ir por "...impossíveis..." que o sujeito poético vai demonstrando já ter. Mesmo que não saiba.
Há um acto de humildade muito grande em querer "...ser sábia...".Quando é que o somos? Já não seremos, em parte. Não exigirá a sobrevivência algum tipo (qualquer) de sabedoria?
Ao sexto verso o sujeito poético dá-lhe para a ironia. Digamos que o "...movimento..." que o poema já leva, deixa o leitor a pensar que outro movimento pode o sujeito poético querer?
O sonho, comanda-nos, e nunca desistir do "sonhar" é uma condição imperiosa no Homem, já dizia António Gedião na "Pedra Filosofal".
Ao "...escolher o sonho..." exactamente a meio do poema, pelo menos quanto ao número de versos, foi desenvolvido o sonho dentro do sonho.
Belas metáforas para designar o mundo em geral, Com referências ao "...Norte..." e "...Sul...".
Quanto aos perfumes, eu sou pessoalmente afecto à metáfora da maresia enquanto exemplo duma fonte fonte vital (ar) com tempero ( o sal entra em quase todos os pratos (é favor não consumir em excesso)), além da alfazema que em aromaterapia tem enormes qualidades curativas (na cicatrização por exemplo, e calmante).
Um poema muito completo que me encheu as medidas e que me obrigou a comentar e a guardar.
Um dos favoritos é meu.

Obrigado

Abraço