https://www.poetris.com/
Poemas : 

um Nós ao lado do Tempo.

 



se me nego ao sentimento
se evito as palavras
se circunscrevo às linhas o que apenas posso
e tropeço no que quero
pontapeando para o lado

para
:

a berma
a sombra
o abandono
os beijos que guardo

[e continuo]

sabe que não é vento que fragiliza o ramo
não é medo que faz cair a folhagem
mas os ponteiros que me apontam a porta de saída

porque tudo é curto
porque tudo é sem Tempo

/ e Nós é apenas uma vontade suspensa ao sabor do Destino /



... também Palas. Antes.

 
Autor
Almamater
Autor
 
Texto
Data
Leituras
168
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
20 pontos
6
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Erotides
Publicado: 06/07/2021 12:48  Atualizado: 06/07/2021 12:48
Colaborador
Usuário desde: 26/02/2020
Localidade: Brasileira
Mensagens: 1200
 Re: um Nós ao lado do Tempo.
Belo poema sobre o tempo e tudo que o tempo leva com ele.


Enviado por Tópico
agniceu
Publicado: 10/07/2021 02:47  Atualizado: 10/07/2021 02:47
Da casa!
Usuário desde: 08/07/2010
Localidade:
Mensagens: 357
 Re: um Nós ao lado do Tempo.
Ainda vais a tempo de mudar o tempo!

Um abraço


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 18/07/2021 10:54  Atualizado: 18/07/2021 10:54
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1961
 Re: um Nós ao lado do Tempo.
[e continuo]

Este contínuo (atenção ao acento) é tão evidente e ilusório e necessário, que torna essas prisões em que nos guardamos (no pensamento, também ele tão mutante) momentos a que nos agarramos.
Nós é uma ideia, além duma palavra, bastante poderosa. Tem graus de afinidade bastante variáveis. pode ir dum eutu a eutuele. Agregamos esse número a uma causa, ou sentimento e damos o nó.

A primeira estrofe aponta para o presente e a acção é uma inacção, o nego, evito, circunscrevo é uma redução que transmite angústia. Uma condicional que desagua num pontapear, visualmente mais violento.
"...os beijos que guardo..." acentuam o ideia inicial com o arrependimento, aquilo que é dito que nos devemos arrepender do que não fizemos. Como beijar.

"...sabe que não é vento que fragiliza o ramo
não é medo que faz cair a folhagem..."

Estes dois versos são muito bons e dão uma clara percepção de toda a qualidade do poema,
quer no conteúdo, quer na forma.
Tem um lado aforístico que torna este poema tão pessoal muito universal.

Afinal:
".../ e Nós é apenas uma vontade suspensa ao sabor do Destino /..."

Sendo estas barras mais uma forma diferente de estruturar...

Abraços