https://www.poetris.com/
Poemas : 

Fragilidades

 

Sou tão pouco

agora.

Vejo olhares que passam por mim

como quem lamenta o fardo da terra árida.



Todas as árvores que plantei

estão cobertas de flores.

Aparo-lhes os ramos secos

só eu e o meu reflexo diluído



muitas vezes inapta

na solitária tarefa de nelas recortar

o ângulo mais perfeito do amor.



G.

 
Autor
Gilda.
Autor
 
Texto
Data
Leituras
167
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
13 pontos
3
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 27/07/2021 15:51  Atualizado: 27/07/2021 15:51
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1970
 Re: Fragilidades
Fazer as coisas com amor, por vezes, torna-nos inaptos.
Precisamente porque obriga ao executante essa dose de perfeccionismo que, amiúde, não estamos capazes.
Gosto muito, demais, da segunda estrofe.
A metáfora com o peso certo, uma quadra simples (parece que associamos poesia a quadra), as palavras bem medidas, o tom de uma melancolia doce (engraçado, associo o sentimento à amargura, mas neste caso apesar de saber de cor que é melancólico, não é amargo, e quem quiser que me contradiga!) e a diluição do reflexo é uma boa ponte para a estrofe final.

As fragilidades têm enciclopédias e têm poemas.
Já está!

Obrigado pela leitura.

Abraço irmã


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/07/2021 21:22  Atualizado: 27/07/2021 21:22
 Re: Fragilidades
olá girda. pois... uma vez o rapaz escreveu isto: levamos, ou mostramos, já não me lembro bem, as nossas fragilidades ao mundo para o tornarmos mais humano. foi mais ou menos isto. acho que o rapaz deitou o escrito ao lixo, mas, ao ler este teu texto lembrei-me. não há mal nenhum em sermos humanos e sermos frágeis e até fazermos das nossas fragilidades forças. enfim. obrigada
uma boa noite.