https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A desconstrução

 
Tags:  Namastibet    Jorge Santos  
 
A desconstrução
 



A desconstrução





Deitemos por terra
O que nos fere, a mão
E o que nos ferra nos pulsos
E derrota, a miséria devota,

O singelo e o ignoto,
O endémico desalento,
O tempo é uma goiva, tábua rasa,
Desbasta e cinzela,

A Ingratidão alimenta
Esta sensibilidade hemorrágica, fera
E insana, assim a embriaguez
A insincera fama

É uma fábula e uma redoma
Em vidro, a savana
Do tigre, o perigo do ter e haver
Perdido o horizonte, fauna

O que persigo, me persegue sem eu ver
No mato e “o por matar”,
O predador e a presa,
A respeito da vitória,

Prefiro a derrota, tem mais beleza
Assim como no outono, as flores
Segundo os loucos, não me faz horror
A viúva realidade, suprema

A avidez extrema, a honra
Da arena e o ardor do sacrifício,
A dor, o crucifixo
Inútil, o cinismo cinzento

Da corda, a trama da veste,
O ardor do momento, o suicídio
Da borboleta-monarca no inverno
Quando chove, forte e sério, feio

O arrabalde, mordaz misticismo,
Nos sonhos dos outros,
Abstémios, paranoicos,
Secundários actores,

Partilhando impressões idênticas entre eles,
Tal e qual no parto, a ausência da dor,
Eu sou a frente de combate,
Do tombadilho do contramestre-

-À proa, o guerreiro da antiga Goa,
A má-fama, o infortúnio do escravo,
A essência vassala da Sulamita do Rei Zenão,
O Vândalo das opiniões,

O cego de Bratislava,
Antuérpia e a desconstrução,
O deitar por terra, a existência eterna,
o vogal e vulgar não…







Jorge Santos (04 Fevereiro 2021)

https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com























































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































Jorge Santos/Joel Matos

'a existência precede a essência'

A desconstrução é um conceito elaborado por Jacques Derrida, como uma crítica de pressupostos dos conceitos filosóficos, onde ocorrem muitas dúvidas devido ao grau de dificuldade oferecido pela matéria.
A desconstrução não significa destruição completa, mas sim desmontagem, decomposição dos elementos da escrita. A desconstrução serve nomeadamente para descobrir partes do texto que estão dissimuladas e que interditam certas condutas.
Falar de desconstrução dentro da teoria do conhecimento é falar de Jacques Derrida. Nascido na Argélia em 1930 e falecido em Paris em 2004, está associado ao pós-estruturalismo, ainda que alguns discordem disso. Por ser judeu e sofrer com o antissemitismo, Derrida postula que as formações culturais e intelectuais humanas deveriam sofrer uma reinterpretação como elemento fundante de um novo conhecimento: “Não existem fatos, apenas interpretações”. Para Derrida, a desconstrução não quer dizer a destruição, mas sim desmontagem, decomposição dos elementos da escrita conforme indica o texto abaixo: O 'método' da 'desconstrução' suscitou amigos e admiradores nos departamentos das Letras, mas revolta e polêmica no mundo da filosofia canônica, visto como uma ameaça à Metafísica clássica. A aplicação da Desconstrução a um texto filosófico ameaça a leitura verdadeira da verdade da filosofia, tornando-a uma das leituras possíveis, mas não a leitura correta. A famosa frase 'A linguagem se cria e cria mundos' aponta perigosamente para a contingência dogmática do 'Ser' e do 'Significado'. Isso quer dizer que os textos corrompem seus significados tradicionais, criam novos contextos e permitem novas leituras, em um processo contínuo e vertiginoso.
O próprio Derrida, acusado de ser obscuro, escreve em 1983: “A desconstrução não é um método e não pode ser transformada num método [...] é verdade que em certos círculos a ‘metáfora’ [...] foi capaz de seduzir ou desencaminhar [...]” (apud Fearn, 2004, p. 174).

Para Derrida, as palavras não têm a capacidade de expressar tudo o que se quer por elas exprimir, de modo que palavras e conceitos não comunicam o que prometem, e é nesse ponto que Derrida entra na TC. Para ele, as lacunas na escrita e na fala são inevitáveis; é a capacidade de serem modificados no pensamento, na expressão e na escrita que torna os conceitos incompletos. Assim, aquilo que dizemos e ouvimos só será de fato verdade quando o virmos como algo incompleto e aceitarmos desconstruí-lo; e se não o fizermos, a evolução sócio-tecnológico-produtiva o fará por nós, como já o fez com os dogmáticos conceitos de família, território, afeto, direito, etc.

Em A Gramatologia, Derrida apresenta outra tese inovadora e provocante afirmando que a linguagem escrita precede a linguagem oral no ser humano, alicerçada no princípio anti-idealista de que 'a existência precede a essência'. Para o filósofo, o que está 'fora dos livros' é 'marginal', está à 'margem da tradição' e situa-se no 'limite do discurso'.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Desconstru%C3%A7%C3%A3o

"Que significa, aqui, que a existência precede a essência? Significa que o homem existe primeiro, se encontra, surge no mundo, e se define em seguida. Se o homem, na concepção do existencialismo, não é definível, é porque ele não é, inicialmente, nada. Ele apenas será alguma coisa posteriormente, e será aquilo que ele se tornar. Assim, não há natureza humana, pois não há um Deus para concebê-la." (Sartre, em ‘O existencialismo é um humanismo’)









































































































































































































































Os comentários são propriedade dos respectivos autores.


Os comentários são propriedade dos respectivos autores.
 
Autor
(Namastibet)
 
Texto
Data
Leituras
1146
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 21/09/2021 18:57  Atualizado: 21/09/2021 18:57
 Re: A desconstrução
FILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADO

Enviado por Tópico
(Namastibet)
Publicado: 23/01/2022 18:26  Atualizado: 23/01/2022 18:26
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1474
 Re: A desconstrução