https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Tiras-me as palavras da boca ...

 
Tags:  Namastibet    Joel Matos  
 
Tiras-me as palavras da boca ...
 





Tiras-me palavras da boca
Com alfinetes de dama, agulhas finas,
Tenho a maldita certeza e é
Como se estivesse vendo, sair
Uma a uma, sinuosas lentas, dançam

Numa espécie de bailado cósmico, dóceis
No movimento, confortam-me, deslocam-
-se, vejo-as cruzar a alma, adiante do
Meu fôlego, nas coisas que digo, faço,
Falam por mim e de mim falam, clamam

Eloquentes, nem necessidade
De existência viva, sonhos são
E sempre, passagem para outras
Vidas existentes, inexplicáveis
Pra gente,- arquitetos com corpo-,

Se eu pudesse explicar o que vejo,
Saindo da minha boca, talvez fosse
Como ouvires música vinda de outras
Dimensões e a mesma emoção bem-vinda,
Sensação de Terra, externa ao ouvido,

Tiras-me palavras da boca, sonhos
Inesperados na primeira fila, fábulas
Depois absurdas falas, ilícitas, caídas no chão,
No fim retiras visíveis imagens,
Que me convenci saírem de mim,

Mas não, sou eu de mim partindo
Trespassado a alfinetes, toda a voz tem
Um fio, o fim é quem me ouve claro,
Exterior ao ouvido, uma a uma
As palavras que retiro da boca, sonhos

Enfim ausentes do corpo físico,
Outros mundos a roçar por mim e eu todo,
Espécie alguma viva tem destes sonhos
Em que nada pesa, tudo balança
Sinuoso e lento, alheias e nem tanto,

Tiras-me da boca as palavras, nem todas,
A impureza é uma casta e o meu solo
Fértil, na boca faço asilo, das palavras
Mais fétidas às que desobedecem e têm
Severo castigo fora deste covil de asceta …









Joel Matos ( 23 Janeiro 2021)







http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com










































































































































































































































































































































































Jorge Santos/Joel Matos

 
Autor
(Namastibet)
 
Texto
Data
Leituras
1011
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
5
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
(Namastibet)
Publicado: 27/08/2021 17:35  Atualizado: 27/08/2021 18:14
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1243
 O final Feliz












O final Feliz




O essencial, o fundamental não é possuir nem guardar, a ânsia é uma moldura desgastada, monótona e monogâmica, uma crueldade para o espirito. Não é vital ter, mas dar, a pedra basilar, o gozo será o ultimo reduto, refugiaremos as nossas lembranças prolongadas num "status quo" cujo único desígnio ou propósito, o sopro final será a libertação, a graça divina, um magistral "magnificat" chamemos-lhe o que chamar-mos ao eterno, ao "finalli", ao alvo, ao fulcro das nossas existências que é ser apenas e simplesmente homens e mulheres plenos de emoções. Querermos ser aceites cega-nos, encerra-nos em embrulhos selados, fechados e herméticos, sem paladar, ínfimos espaços, casas terrenas e térreas plenas de dúvidas, mono-nucleicos monoparentais refúgios de mundos múltiplos, escravizam-nos pouco a pouco nos nossos melodramas básicos, como se fosse num pó fino que se nos aglutina na pele e impede de flutuar entre outras possibilidades. Eu sou, tento ser, espectador vivo, víscero e sincero de tudo quanto escrevo e, ou é sentido por mim, ampla e absurdamente, abundantemente até ao sufoco, não guardo o entusiasmo nem a má gordura/candura na borda do prato, consumo o prazer do que digo e penso sem modéstia embora saiba que me mato de satisfação e com gosto, deleito-me com a satisfação de quem escreve muito e experimenta experiencias paisagens de outros mundos universos que em nós possuímos sem que nos apercebamos espontâneos simples e nus, o final feliz, o "escapar à morte".
Estou devolvendo, sem cerimonial altivo, em branco, calvo e livre de ónus paradoxais garridos, festivaleiros, o extraordinário presente que acabei de receber de outras mãos. Um antigo admirador meu dizia em tempos (há mais de cem anos) que a poesia era passível de escanção, bem como os perfumes que "de per si" flagram, emanam e se combinam, pois estou convencido que a formação de sílabas segue a mesma fórmula do bouquet dos vinho maduros brancos retintos e a constituição fonética, mesmo quebrando tabus ou regras do bom senso compreendem estas, surpreendem numa efusão gástrica de serotipos, não em branco papel, mas voluptuosos e fecundos como pensamentos linguísticos ainda mais se a terra for arável e agradável ao sol poente, vivificante a critica e criteriosa a escolha das bagas uvas.
Sentimo-nos alfaiates de palavras, afivelamos aromas sabores a mel, sensações sentidos e sentimentos paixões como sovelas de espinhos nas roseiras e nos bicos dos papa figos estivais e pagãos, pregões sem regras de qualquer espécie, para escrever duas linhas, pois é isso que devolvo duas linhas de prosa poética em branco calvo e livre, pois o que quero dizer é simples , a nossa capacidade de criar não pode ter peias nem limites poderemos imaginar Ofélia sem Shakespeare ou um magnificat sem orar a um só Deus como simples e vulgar gente que somos, apenas simples mestres comovidos com a vida, inalteráveis quanto um bom mosto de vinho maduro tinto ou branco, branco tinto.
Sensibilidade e inteligência ou aversão ao velo, passível nos animais lanígeros e a abominação dum belo velo lanifício, bem estruturado em formas verbais, físicas ou em formato de velcro industrial, assemelham-se à assombração do freio no palato e do feio linguístico na pratica equestre e do ponto de vista verbal, do cabresto, a negação de outros sons, são do meu ponto de vista, vituperas actitudes, agressivas práticas egoísticas tal como uma doença mental de misoginia, como quem tem dores de barriga e caga arame farpado sem perceber que está tendo cólicas de prisão de ventre.
Mais como uma dose de desconforto e de ansiedade estética faço o resumo do que foram os meus inúmeros renascimentos com aspirações e inspirações de outras eras no decorrer de alguns passeios nesta que tanto me emociona com desapego, um desapego próprio de quem se sonha vestindo um manto régio que só eu vejo.
Vemos quase sempre, de dentro pra fora da janela quando a chuva cai, se o autocarro vem nas horas tantas, da vizinha no prédio da frente, se vai nua e jamais o conteúdo das várias gavetas, o cotão e a ideia virgem de verdade contida em diferentes compartimentos bolorentos da casa, da sala, sob as janelas dos pisos inferiores ou superiores sendo o nosso pouco acima dos rés-do-chão e por vezes em andaimes feitios de vulgares arames com ferrugem , no caso da minha escrita pouco convincente, a vulgaridade é contígua, é e continua sendo o meu lar, a demagogia é o meu teatro intimo mas não me considero insensível ou mesmo fútil ao ponto de soçobrar num objetivismo subjetivo que é uma espécie de cadeira mestra que levo comigo pro outro mundo apesar de fazer um esforço monstruoso e do outro mundo, pelo desconforto, mas não sou invejoso, desejo acima de tudo que me inspirem, não pretendo ser um fosso, um poço de sabedoria indigesta, uma fossa fedorenta.
Não me perdoaria sem que falasse de argumentos seria quase imperdoável para mim mesmo não seguir os meus primários impulsos de sensibilidade versus bom senso, não sem compreender o que me interessa e a beleza que tem para mim expor a razão pelo que tem de racional e sensível embora possa parecer inconcebível a sensibilidade ao Ré, por exemplo em alguma e outras absurdas notas musicais audíveis noutras divisões ou noutro quadro do mesmo apartamento, numa outra gaveta ilógica com um freio linguístico formatado em MI ou FA, duma outra espécie peculiar e lanígera mais ligeira, genérica, básica, gutural profunda.
Gosto de quem se exagera, de quem entra em pânico, de quem se nega, amo e odeio quem duvida de si mesmo, e às pessoas que duvidam p'las meninges do peito eu deixo um recanto na minha simpatia (pouca) e a disciplina mental preguiçosa, tardia como um lamento da minha fraqueza pra não chamar covardia ou defeito, pois que também duvido que haja luz e que me faça sair livre enquanto janto sentado e nu, lívido e sem qualquer jeito.
Gosto de quem se exagera, de quem entra em pânico por tudo e nada, de quem se nega de quem manda a vida "por um cano", dos epilépticos deste mundo outro, prefiro a verdade, opto pelo autoconhecimento dos outros ou melhor ainda, escolho a real realidade embora essa nem seja minha nem consistente ou antes do que as minhas noites são cheias, o brilho da lua cheia, eu de dia sou um oval oval, um aval nulo, mero extremo de Narval e de tudo, separado por duas linhas contíguas e com um destino igual, externo ao caminho que me sugeriram de forma implícita e explícita.
Tudo me é alheio, do que sinto ao que penso, até sossego é o inimigo na forma da paz que não sei explicar, falta-me o ruído pra pensar sem pensar, a auto avaliação do carroceiro deprimido, falta-me o fechar do postigo para a auditoria das contas e ignorar o autoexame de consciência.
Chego com alívio à conclusão que a propriedade material da coisas e do que tenho dito è aparente e é de aparência do que tenho vivido, o que me tem feito viver, volto depois ao prefácio sem registo do que disse, totalmente perdido numa desvantagem, essa também aparente, aparentemente ferido, fingidor fictício, falso falsificador, hipotético filosofo, falácia sem fim nem inicio.
Nada surge do nada “Ex nihilo nihil fit” e eu“Não sei ser útil mesmo sentindo” excepto talvez quando nos ouvimos pensando entre o desequilíbrio e o sonho, assim como um “sui generis” colibri parando de flor em flor, pois as mensagens são como eternas libélulas para quem as sabe decifrar e mesmo as curtas pausas, os voos sem causa, rumo e as pontuações caladas na pele da gente são agentes secretos das palavras dadas, emprestadas a nós por d’outros e assim sucessivamente até ao fim desta espécie falante mas não omnipotente, hominídeos q.b …“Eu jamais parti”.
Longa vida aos realmente poetas "Ipsis verbis", Infelizmente ou não, por prática, misoginia de opróbrio, aprendizagem ou negação parcimoniosa, primordial de mim mesmo, desafecto etc. "In vitro" contive-me neste "charco", parco aglomerado de admoestações mal fundidas, urdidas censuras, bífidas, pérfidas, cáusticas, contendo meios sorrisos, correndo riscos, entre os quais o de perder uma parte importante, substancial e significativa do que pode ser ou não genial, morto ou uma simples loucura febril sem alma nem sal, salmoura labial e prosápia quanto basta, porque isso pra mim tem um peso, e a dor… a dor de uma amena cesariana, supondo que o parto natural seja mais doloroso, mas isso não conta quando "Há um vão à minha espera", não me considero imagístico, sou um fraco diletante discricionário, obstetra de estufa e de estultas pseudo-almas, comuns em mim, estas me definem e definham em mim, não menos que um caminho, um cadinho sem reagente piro-plásticos, os vossos e esses agentes modificativos ou provocativos são os inglórios e agnósticos estados de alma com os quais me masturbo frequentemente, me perturbo e tento dar consistência, consciência circunstancial do que de real nada tem.
"Ipsis verbis", sou de facto afeto e fervoroso militante do que mitigo, limito-me simplesmente à analise do que desejo fazer e não do que faço, investigo e instigo, mais propriamente inspiro-me superlativamente ao vir-me no que digo, embora não veja nem deseje o láudano ou o mórbido, pérfido mérito de flutuar entre quem não me confesso, sobretudo não admiro de sobremaneira ninguém nem nada, sou solitário e solidário qb. pois todos são altos e dignos a seu modo, na sua acção, à sua razão relativa e reactiva, são a seu modo, o embrião discricionário de mim próprio e lembram-me, criam matéria urdida e material nítido, sal nítrico explosivo para a minha perspicaz desfaçatez e também o absoluto princípio, o "príncipe" desta e de muitas outras vezes, pois quem olhar de través sob a mesma e a própria sombra ou veste é quem olha do mais profundo da alma, é o álcool, a fala da sereia, a respiração do íntimo do qual se criam logros, obesos ou filosofias desestabilizastes do sentir vincendo ou do vigente, actualizado paradigma cefálico.
Pois eu preciso de me separar dos olhos pra me ver no movimento deles enquanto durmo deitado, eu sentado sobre duas vendas numa espécie de inacção vudu suspensa, como dois disciplinados girassóis que se reconhecem pela silhueta, qual se eleva acima no horizonte, como que num acto solitário de domínio sobre ela mesma, um recado.
Às pessoas que duvidam p'las meninges do peito eu deixo um recanto na minha simpatia (pouca) e a disciplina mental menos preguiçosa, tardia como um lamento da minha fraqueza pra não chamar covardia ou defeito, pois que também duvido que haja luz e que me faça sair livre enquanto janto sentado seminu, lívido e sem jeito (…)






JM/JS






































Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 21/09/2021 21:14  Atualizado: 21/09/2021 21:14
 Re: FILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADO as palavras da boca
FILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA FILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADO RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADOFILHODAPUTA RETARDADO

Enviado por Tópico
sendoluzmaior
Publicado: 22/01/2022 11:05  Atualizado: 22/01/2022 11:05
Subscritor
Usuário desde: 01/05/2012
Localidade: Belo Horizonte
Mensagens: 903
 Re: Tiras-me as palavras da boca ...
Uma moeda de ouro para que possa comprar um presente ao seu gosto.