https://www.poetris.com/
Poemas : 

Eu não digo…

 
Tags:  Namastibet    Joel Matos  
 
Eu não digo…
 





O silêncio é para os outros,
Não me calo, prefiro apregoar
Alto o preço a pretender qu’valho
O que não digo entre “comas”,

Parêntesis, repito o que disse
À partida como que a recuperar
Forças ou pra produzir algum
Efeito(até aí sou só aparências)

O silêncio é para os gordos,
Eu cerro os dentes mas apenas
Por fachada pois falo de mim
Sem parar e em letra grada,

Alivia-me o ranger das portas
Rolas sussurrando sob um’asa,
Alibi perfeito prá nota falhada,
Sinistro é quem se exprime,

Deduzindo ser a arte um ritual
De sentimento beato, profundo,
Exclusivo pra extrema unção
Dos mortos ou pra uma orgia

De defuntos em semana gorda,
O silêncio é para os mortos,
O falar pra mim é uma grávida
parindo, pelo menos eu sinto

Que palavra tem ser, vida, peso.
O silêncio é para os outros,
Eu não digo, arrepia-me o ranger
Dos dentes nos outros…








Joel Matos (04/2018)










https://namastibet.wordpress.com/
http://joel-matos.blogspot.com





















































































































































































































































































Jorge Santos/Joel Matos

 
Autor
(Namastibet)
 
Texto
Data
Leituras
151
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
8
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
(Namastibet)
Publicado: 25/10/2021 09:50  Atualizado: 25/10/2021 09:50
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1033
 Re: Eu não digo…














































































































































































































































































































O silêncio é para os outros,
Não me calo, prefiro apregoar
Alto o preço a pretender qu’valho
O que não digo entre “comas”,

Parêntesis, repito o que disse
À partida como que a recuperar
Forças ou pra produzir algum
Efeito(até aí sou só aparências)

O silêncio é para os gordos,
Eu cerro os dentes mas apenas
Por fachada pois falo de mim
Sem parar e em letra grada,

Alivia-me o ranger das portas
Rolas sussurrando sob um’asa,
Alibi perfeito prá nota falhada,
Sinistro é quem se exprime,

Deduzindo ser a arte um ritual
De sentimento beato, profundo,
Exclusivo pra extrema unção
Dos mortos ou pra uma orgia

De defuntos em semana gorda,
O silêncio é para os mortos,
O falar pra mim é uma grávida
parindo, pelo menos eu sinto

Que palavra tem ser, vida, peso.
O silêncio é para os outros,
Eu não digo, arrepia-me o ranger
Dos dentes nos outros…








Joel Matos (04/2018)










https://namastibet.wordpress.com/
http://joel-matos.blogspot.com














































































































































































































































Enviado por Tópico
Mr.Sergius
Publicado: 25/10/2021 22:05  Atualizado: 25/10/2021 22:05
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2018
Localidade: Luxor (Egito) / काठमाडौं (Nepal)
Mensagens: 1224
 Re: Digas pois...
Digas sim, o que devo fazer para que me respondas ao menos não?

Open in new window