https://www.poetris.com/
Poemas : 

Medo d'virar pó

 
Tags:  Namastibet    Jorge Santos  
 
Medo d'virar pó
 




Tenho medo de tornar pó
Só porque pó é feito
De infinitos e defeitos eu
É só o que sinto ser,

Visto o que não existe
O tamanho do fato e o sapato,
são doutrem, exagerados
os punhos e a alma se fosse real

Igual ao dó que tenho
De mim próprio, todo falso
Eu e ele até à raiz do cabelo,
E eu o defeito que janta comigo

Tenho medo de virar pó
Sendo dois o trigo e eu agora,
Confessou-me à tardinha,
Lembro-me tão bem, fosse ontem

Seara que o vento leva,
Do mesmo mal que me dói,
Amei tanto de tanta coisa,
Lancei flores como tanta gente,

Ao vento a ilusão também,
De ser perene eu aqui ou vagar
Pra ser estrela de manhã à noite,
Passei sem ser, não vou ficar

Visto que não existo,
Só o medo de virar pó
Eu, quem pensou ser pessoa-una
Da manhã, de tarde confundo-me

Com o disfarce que uso
Carnavalesco (um nada-ser)
O tudo-eu alheio, falso
Xerox-cópia.

Tenho medo de tornar pó,
Só porque pó é feito do que sinto,
Sobretudo raízes e signos, instinto ...




Jorge Santos (02/2017)






https://namastibet.wordpress.com/
http://namastibetpoems.blogspot.com








































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































Jorge Santos/Joel Matos

 
Autor
(Namastibet)
 
Texto
Data
Leituras
70
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
(Namastibet)
Publicado: 24/11/2021 16:31  Atualizado: 24/11/2021 16:31
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1122
 Re: Medo d'virar pó

























































































































































































































































































































































































































































































































































Tenho medo de tornar pó
Só porque pó é feito
De infinitos e defeitos eu
É só o que sinto ser,

Visto o que não existe
O tamanho do fato e o sapato,
são doutrem, exagerados
os punhos e a alma se fosse real

Igual ao dó que tenho
De mim próprio, todo falso
Eu e ele até à raiz do cabelo,
E eu o defeito que janta comigo

Tenho medo de virar pó
Sendo dois o trigo e eu agora,
Confessou-me à tardinha,
Lembro-me tão bem, fosse ontem

Seara que o vento leva,
Do mesmo mal que me dói,
Amei tanto de tanta coisa,
Lancei flores como tanta gente,

Ao vento a ilusão também,
De ser perene eu aqui ou vagar
Pra ser estrela de manhã à noite,
Passei sem ser, não vou ficar

Visto que não existo,
Só o medo de virar pó
Eu, quem pensou ser pessoa-una
Da manhã, de tarde confundo-me

Com o disfarce que uso
Carnavalesco (um nada-ser)
O tudo-eu alheio, falso
Xerox-cópia.

Tenho medo de tornar pó,
Só porque pó é feito do que sinto,
Sobretudo raízes e signos, instinto ...




Jorge Santos (02/2017)






https://namastibet.wordpress.com/
http://namastibetpoems.blogspot.com