https://www.poetris.com/
Poemas : 

Afinal me perco em Sófia ...

 
Tags:  Namastibet    Jorge Santos  
 
Afinal me perco em Sófia ...
 








Afinal me perco, nem lembro quantas vezes
Nos parques de estacionamento, na sombra
Dos edifícios, nos lugares dos objectos cinza
Afinal me perco nos bairros salgados, tristes,

Quem disse haver no baldio uma paisagem
Mentiu, passei da convivência, à sombra que
De noite está, sem haver lembrança, mesmo
Vaga do outro dia "ainda ontem" quem outro

Eu era...Afinal me perco do que seja querer
E deixou de o ser, sentimentos em vidraças,
Incomuns, descomunais cidades de gigantes
Perto de aonde afinal me perco, nos parques

De estacionamento com passagem apertada,
Urbanos, afinal me perco, nem lembro, tantas,
Quantas vezes em Sófia Sofia...












Jorge Santos (01/2017)







https://namastibet.wordpress.com/
http://namastibet.blogspot.com






















































































































































































































































































































































Jorge Santos/Joel Matos

 
Autor
(Namastibet)
 
Texto
Data
Leituras
151
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
(Namastibet)
Publicado: 02/12/2021 16:20  Atualizado: 02/12/2021 16:20
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1240
 Re: Afinal me perco em Sófia ...








































































































































































Afinal me perco, nem lembro quantas vezes
Nos parques de estacionamento, na sombra
Dos edifícios, nos lugares dos objectos cinza
Afinal me perco nos bairros salgados, tristes,

Quem disse haver no baldio uma paisagem
Mentiu, passei da convivência, à sombra que
De noite está, sem haver lembrança, mesmo
Vaga do outro dia "ainda ontem" quem outro

Eu era...Afinal me perco do que seja querer
E deixou de o ser, sentimentos em vidraças,
Incomuns, descomunais cidades de gigantes
Perto de aonde afinal me perco, nos parques

De estacionamento com passagem apertada,
Urbanos, afinal me perco, nem lembro, tantas,
Quantas vezes em Sófia Sofia...












Jorge Santos (01/2017)







https://namastibet.wordpress.com/
http://namastibet.blogspot.com