https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Eis a Glande

 
Tags:  Namastibet    Joel Matos  
 
Eis a Glande
 

(em construção)



Eis a glande



Eis a inflamada, a grande, a maior e mais infame raiva de sempre,
As pedras de calçada podem nem ter nome, religião,
Trás ou frente mas possuem cólera tal como gente,
Fome, não fingem ser cegas, são cegas, mesmo cegas

Por profissão, fé, seja o que for, dois olhos sem nascença
Nem descendência de nobre infante, eis a glande,
Pedra polmes branda, branca igual a cal da parede
Eis a grande confissão do pároco, a farsa do confidente,

Recluso impotente




Joel Matos ( Janeiro 2022)










http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com


























































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































Jorge Santos/Joel Matos

 
Autor
(Namastibet)
 
Texto
Data
Leituras
267
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
(Namastibet)
Publicado: 18/08/2022 13:29  Atualizado: 18/08/2022 13:29
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1549
 Re: Eis a glande







Eis a glande



Eis a inflamada grande, da maior e mais infame raiva de sempre
As pedras de calçada podem nem ter nome, religião,
Trás ou frente mas possuem cólera tal como gente
Fome, não fingem ser cegas, são cegas, mesmo cegas

Por profissão, fé, seja o que for, dois olhos sem nascença
Nem descendência de nobre infante, eis a glande,
Pedra polmes branda, branca igual a cal da parede
Eis a grande confissão do pároco a farsa do confidente

Recluso impotente




Joel Matos ( Janeiro 2022)










http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com