https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Ocaso

 
Sento-me ao lado dos pássaros
idos
onde desaguava o azul
em que nos procurei.

Abril acontecia
na voz quente
e louca
de palavras roucas

a razão perdia e eu lia
nos teus olhos
o encantamento do amanhecer.

Sonhei um abrigo debaixo
da tua pele
e no meu olhar lavado
tingi de verde
um espelho de orvalhos e de fogo
reinventado.

Calei o tempo
da voz gemida da floresta
ousei os segredos das aves
perfumei o pensamento de papoilas
e girassóis.

Mas há sempre
um silêncio
onde morre a primavera
e o ocaso se multiplica.

 
Autor
idália
Autor
 
Texto
Data
Leituras
253
Favoritos
5
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
52 pontos
4
4
5
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Marineuza
Publicado: 05/04/2022 19:28  Atualizado: 05/04/2022 19:28
Da casa!
Usuário desde: 08/04/2020
Localidade: Almada
Mensagens: 463
 Re: Ocaso
Há sempre um silêncio que nos cala e nos reprime. Um silêncio que extingue a luz do sentimento. E escurece o coração.

Gostei muito deste poema.

Beijo


Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 06/04/2022 22:43  Atualizado: 06/04/2022 22:43
Luso de Ouro
Usuário desde: 07/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4592
 Re: Ocaso
Gosto de ler a tua poesia.
Sento-me ao lado dos pássaros
idos
onde desaguava o azul
em que nos procurei.
...

Lindo


Beijinhos