https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

As margens nuas do meu rio

 
Chegam as neblinas
sem palavras e a brancura
derrama-se na manhã, convoca a melancolia
dispersa em cristais de pureza.

Sou viajante no vento
rasgando o fecundo silêncio
que descortina o sentido de cumes e declives
entre a luz primordial
e teias de solidão.

Sorvo de um só trago
o afeto doce e quente de pensamentos
que ficaram cravados nos tempos por onde passei.

Neles me circundei de verdades e medos
e nos atalhos que entre eles nasceram
agora escrevo
as marcas de um sonho

que nos olhos transportou o desespero
e nos lábios ancorou um verde frio

e por pudor recuou
nas margens nuas do meu rio.

 
Autor
idália
Autor
 
Texto
Data
Leituras
263
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
0
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.