https://www.poetris.com/
Poemas : 

omnipresença

 



qual fio de lã,
cai-me na pele pela noite de qualquer inverno
quente.

roça-me cetim no calor de agosto quando o luar queima os sentidos.

provoca-me com cheiro a linho nos lençóis com que me destapa.

e sai de mansinho
pela porta que nunca fecho...




... também Palas. Antes.

 
Autor
Almamater
Autor
 
Texto
Data
Leituras
66
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.