https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Maldade

 
Tags:  Namastibet    Joel Matos  
 
Maldade
 






Maldade,

E o quanto me basta essa,
Que ao preservá-la, sinto-a
Verdadeiramente minha,

Fracamente mau, eu que
Habito num pretenso, falso
Ermita s/instituição herança,

E o quanto isso me basta
Pra descrever sen'detalhes
Dest'outra tensa viagem,

Ao longo de mim mesmo,
Da minha vaidade viária,
Na verdade uma criatura

Maldosa que por s'colha
Sou, mau quanto escura
É maldade na Naja preta,

O ferrão da fulva Vespa
Asiática com tod'a fúria
Que o instinto possa ter,

È quanto me basta, essa
Gula a magnânimo canalha
Magnífico e inclemente,

Não por "dá cá aquela
Palha" nem sequer por
Um qualquer delírio de

Grandeza, polui espíritos
Quer a anjos ou demónios
Mas a maldade suprema

Real com vulto e relevo
Eternos, em cabelo, sem
Requintes falsos, sou eu

Esse, esse é o meu mal,
A minha distinção, o "Graal"
Santo, a excelência Maior

Em todo o horrível esplendor
De crueldade que de mim
Advém e em mim tenho.








Joel Matos ( Novembro 2022)










http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com




Jorge Santos/Joel Matos

 
Autor
(Namastibet)
 
Texto
Data
Leituras
272
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
(Namastibet)
Publicado: 07/11/2022 20:50  Atualizado: 24/11/2022 14:20
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1791
 Re: Maldade
.