https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A verdade por promessa

 
Tags:  Namastibet    Joel Matos    O Transhumante  
 
A verdade por promessa
 


(O contraste não se atravessa, se esmaga )



A verdade por promessa





O objectivo da minha vida
é a imprecisão, ela por vezes
me espanta e me esmaga
transversalmente, é talvez
pouco natural o explicar
ao mundo, o mundo que
inda não habituei a habitar,

Isso me basta como contradição
e para ocupar a minha
alma exausta de tanto duvidar
atrás das preciosas alvoradas
ou dos detalhes do que tenho
ainda que andar, nesta viagem
à minha roda,

Sem volta nem pra onde ir,
razão pra alternar de rota
não tenho, embora pergunte
a mim mesmo até onde
esta tão turva, tão manchada
de tida, de nada, de estar
sem estar.

O rosto com que rio por mim
é rasgado, o arroio se tornou
instinto, fluente não, nem resposta
real tenho para dar à realidade
que em mim não há, nem muda de forma
ajusta-se a outra forma,
não a original nem à concreta,






Joel Matos (Novembro 2022)




http://joel-matos.blogspot.com
https://namastibet.wordpress.com
http://namastibetpoems.blogspot.com



O Transhumante




A variedade por promessa


Mas o contraste não me esmaga — liberta‑me, e a ironia que há nele é sangue meu. O que deverá humilhar-me é a minha bandeira, que desfraldo e o riso com que deveria rir de mim, é um clarim com que saúdo e gero uma alvorada em que me faço.


B.S.

O contraste não se atravessa, esbate-se ...




O sal picando-o, esmagado adere ao fundo do copo e também à mesa no tampo, assim a verdade dará sempre a sensação de doce salgado, no fundo a flagrante e criminosa sobremesa


O Transhumante
 
Autor
Jorge Santos
 
Texto
Data
Leituras
307
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge Santos
Publicado: 07/12/2022 19:43  Atualizado: 20/12/2022 16:16
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1964
 Nunca tive vontade d'agradar





Eu nunca tive facilidade d'agradecer nad'a ninguém,
Nem uma dor de dentes constitui pra mim
Uma aflição exagerada, sinto como um Lama
Do Tibete, não preciso agradar nem reprovo

Em absoluto, amo a tranquilidade como um recluso,
Uma obra de arte legítima, espiritual, privilegio
A intenção acima de tudo como uma cereja
Sobre um muro, coerente com o mundo,

E consigo mesma, num todo a nossa substância
É igual, um resumo de matéria negra, ocultamos
Um caroço duro de roer sob a polpa lesada, a essência.
Eu nunca tive opiniões que me bastassem, no fundo

A aptidão em mim é silente, não vale quase nada
Nem interrompe o que penso assim como numa
Cidade deserta de funcionários, o silêncio também
É mudo assim como a pedra, som nenhum sai dela,

Nem o encanto é uma esquina por onde a tarde
Se evade, se esconde e eu nela, plagio o lusco-fusco
Sem pressuposto contacto físico






Enviado por Tópico
Jorge Santos
Publicado: 15/12/2022 10:16  Atualizado: 16/12/2022 22:38
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1964
 .
.

Enviado por Tópico
Jorge Santos
Publicado: 30/01/2023 15:57  Atualizado: 30/01/2023 16:02
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1964
 O inconveniente de ter nascido (poeta)
Open in new window








A Meus Filhos


A meus filhos
desejo a curva do horizonte.

E todavia deles tudo em mim desejo:
o felino gosto de ver,
o brilho chuvoso da pele,
as mãos que desvendam e amam.

Marga,
meu fermento,
neles caminho e me procuro,
a corpo igual regresso:

ao rápido besouro das lágrimas,
ao calor da boca dos cães,
à sua língua de faca afectuosa;

à seta que disparam os ibiscos,
à partida solene da cama de grades,
ao encontro, na praia, com as algas;

à alegria de dormir com um gato,
de ver sair das vacas o leite fumegante,
à chegada do amor aos quatro anos.

António Osório,



Este poeta, meu vizinho e vivendo a pouco mais de 200 mts de minha casa em Azeitão morreu a 18 de novembro de 2021



in 'A Raiz Afectuosa'