https://www.poetris.com/
Poemas : 

O livro da estupidez em x-actos - Acto 74

 
A subtileza das cores desbotadas das folhas
Atiradas ao chão pelo vento fino e quase frio
A dançar entre as asas de pombos e pardais
Enche de brilho olhares vadios que desfolhas
Qual livros de poemas que mais ninguém viu
Em duas mãos abertas cheias de vidas banais

Os passos riam entre si em alegre sapateado
Cantavam à chuva como no filme... mais real
Enquanto dormiam sorrisos nos meus lábios
E nesses teus olhos ou nesse corpo molhado
Que se chegava assim a mim lindo e desigual
As tuas mãos abertas eram velhos alfarrábios

As árvores despertavam na mais bela nudez
A desfilar ali com pompa e sem circunstância
Onde loucas apontam o dedo ao homem ruim
E lhe falam reprovadoras com tímida lucidez
Dessa vil atitude de as sufocar com ignorância
As suas mãos abertas em galhos gritam o fim

O peso do cheiro húmido da terra parideira
Carrega no ar as insensatas inconsciências
Que alimentam a morte lenta dos gigantes
Olhar fixo no horizonte turvo da vida inteira
Espalhado num chão de humanas aparências
Tantas mãos abertas nesses outonos amantes


A Poesia é o Bálsamo Harmonioso da Alma

 
Autor
Alemtagus
Autor
 
Texto
Data
Leituras
184
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
20 pontos
2
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/11/2023 14:14  Atualizado: 30/11/2023 14:14
 Re: O livro da estupidez em x-actos - Acto 74
Amei!