Tags:  POR TODAS AS GUERRAS  
 





 
Autor
Almamater
Autor
 
Texto
Data
Leituras
96
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
1
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 09/07/2024 17:02  Atualizado: 11/07/2024 10:35
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 2088
 Re: PRECE
4. Com verso com Filipe e João


O poder que pensas ter não existe,
venha ele de arma ou duma cruz;
esse martelo, prego, não me seduz
nem poder mal fazer, de livro em riste.

Esta lama, em que um dia me viste,
está-me no sangue, na história, na luz,
e toda a tua vontade é de fel e pus.
Somos irmãos sem pais, tu aí, desiste!

Não há língua, nem céus desocupados,
não há produtos da terra, toucinho,
presunto serrano, vinho do Porto,

cozidos à portuguesa empratados,
não há pão alentejano, bom vinho,…
Tudo é paelha ou tapas. Ou morto.


de cheiramázedo

In Dez Sonetos da Guerra na Crimeia