https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

GRITOS (Medo)

 
Gritos ancorados em vã fobia,
Receoso dos pés fincar na terra,
Sem encontrar o firme amparo, berra,
Enovelando-se na cobardia.

Com o medo alagando-se em folia,
Mesmo não devendo, os dentes cerra,
No abismo insondável do ser se enterra
Tomando da vida cruenta a algia.

Cansando na busca da salvação,
Atormentando-se no próprio mal,
Com o medo tenta curar o medo.

Fundando no lodo da exaustão,
Navegando sob um frio temporal,
Na própria fraqueza padece cedo.


Marinho de Pina



________________________________________________
[size=small]Se te comentei, subentenda-se que gostei do texto, logo não preciso dizer que gostei.

Se não te comentei, possívelmente não te li, ou então não sei dizer nada sobre...

 
Autor
Marinheski
 
Texto
Data
Leituras
826
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Cõllybry
Publicado: 25/04/2007 14:36  Atualizado: 25/04/2007 14:36
Colaborador
Usuário desde: 01/04/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 589
 Re: GRITOS (Medo)
O medo paralisa,beijto

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 25/04/2007 15:17  Atualizado: 25/04/2007 15:17
 Re: GRITOS (Medo)
Um grito do fundo d'alma, caro poeta.Gostei muito.Um abraço, Ledalge.